EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE: mortes por acidentes rodoviários aumentam pela primeira vez em uma década

Some of the 40 cars that collided in dense fog on a highway near the city of Gliwice in southern Poland in 2011.
Some of the 40 cars that collided in dense fog on a highway near the city of Gliwice in southern Poland in 2011. Direitos de autor Tomasz Dudzinski/www.edytor.net
Direitos de autor Tomasz Dudzinski/www.edytor.net
De  Sudesh Baniya
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Mais de 19.917 pessoas morreram em acidentes rodoviários em toda a União Europeia (UE) em 2021, de acordo com os últimos dados do Eurostat, o gabinete de estatísticas da UE.

PUBLICIDADE

As mortes nas estradas da União Europeia (UE) aumentaram 6% após uma década de declínio contínuo, revelam os dados mais recentes do Eurostat, com alguns países da Europa Oriental a apresentar o maior número de mortes nas estradas por milhão de habitantes.

Pouco menos de 20 mil pessoas morreram nas estradas do bloco em 2021, em comparação com os números de 2020 (18.834) - uma queda sem precedentes causada pelas restrições da pandemia de COVID-19 que afetaram os transportes públicos.

O número mais recente marca o fim do declínio constante na UE em mortes anuais provocadas por acidentes rodoviários.

Os números globais, no entanto, indicam uma queda substancial em relação a 2011, quando mais de 28 mil pessoas perderam a vida em acidentes de viação.

Os principais contribuintes para os números crescentes da UE foram França, Alemanha e Itália – países com algumas das redes rodoviárias mais extensas e com mais carros.

Em termos de taxas elevadas, os Estados-membros do leste, Roménia, Bulgária e Letónia, lideraram a contagem, apesar de diminuir o número de mortes na estrada para baixo do limite de cem mortes por milhão de habitantes.

Malta teve apenas 17 vítimas mortais na estrada por milhão de habitantes. Só os números da Noruega (15 mortes por milhão de habitantes) foram melhores do que os da pequena ilha no Mediterrâneo. A Suécia e a Dinamarca também tiveram algumas das taxas de mortalidade mais baixas, como se pode perceber no mapa que a seguir se apresenta.

Em março, a União Europeia revelou o plano para reformar e padronizar os testes de esforço em todo o bloco para tentar reduzir as mortes na estrada.

A nova proposta visa fixar a idade legal para fazer o exame de condução aos 17 anos e introduzir um período probatório de dois anos para os novos titulares de cartas de condução.

As reformas precisam, no entanto, ser aceleradas para cumprir a meta da UE de reduzir para metade os acidentes fatais até 2030, diz o Conselho Europeu de Segurança nos Transportes, com sede em Bruxelas.

"Cabe agora aos Estados-Membros e ao Parlamento Europeu garantir que este pacote não seja diluído no caminho muitas vezes espinhoso para se tornar lei", acrescenta o referido Conselho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Michelle Yeoh alerta sobre flagelo dos acidentes rodoviários

Acidente de viação em Marrocos faz 24 mortos

Depois de Espanha, Irlanda e Noruega também reconhecem formalmente Estado da Palestina