Para Erdoğan Ucrânia "merece entrar na NATO"

Presidente da Ucrânia, à esquerda, e presidente da Turquia, à direita.
Presidente da Ucrânia, à esquerda, e presidente da Turquia, à direita. Direitos de autor OZAN KOSE/AFP or licensors
Direitos de autor OZAN KOSE/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente turco esteve reunido como o homólogo ucraniano em Istambul.

PUBLICIDADE

O presidente turco disse, à saída de um encontro com o homólogo Volodymyr Zelensky, que a Ucrânia "merece entrar na NATO."

Em Istambul, Recep Tayyip Erdoğan apelou, também, ao presidente ucraniano para entrar em conversações de paz com Moscovo.

"Não há perdedores numa paz justa. Apesar das diferenças de entendimento entre as duas partes é nosso desejo sincero que os dois lados voltem as negociações de paz”, sublinhou Erdoğan, em conferência de imprensa.

Apesar de a Ucrânia desejar entrar para a NATO, os EUA alertaram que “não aderirá” depois da cimeira da Aliança Atlântica prevista para a próxima terça e quarta-feira em Vilnius, na Lituânia.

Em Istambul, os dois líderes também discutiram o acordo sobre a exportação de cereais.

"A Rússia tem bloqueado o movimento de navios com alimentos através dos corredores no Mar Negro tanto quanto possível. (...) Os povos da nossa região precisam de esforços mais significativos para limitar as ambições agressivas da Rússia e garantir estabilidade na região do Mar Negro”, insistiu Volodymyr Zelensky.

Tanto Zelensky como Erdoğan querem estender o acordo, mediado pelas Nações Unidas e pela Turquia com a Rússia, que autoriza a Ucrânia a enviar cereais para os mercados globais durante a guerra.

O acordo expira a 17 de julho, a menos que a Rússia concorde com a renovação.

Erdoğan prometeu falar com o presidente russo sobre a extensão. Em agosto, Vladimir Putin tem uma visita programada para a Turquia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden no Reino Unido encontra-se com Sunak e Carlos III antes da cimeira da NATO na Lituânia

Polónia detém suspeito de ajudar a planear homicídio de Zelenskyy

Borrell adverte para guerra regional no Médio Oriente