EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

500 dias depois da invasão Kiev homenageia mortos enquanto os combates prosseguem

Imagem bomba lançada na guerra na Ucrânia
Imagem bomba lançada na guerra na Ucrânia Direitos de autor LIBKOS/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor LIBKOS/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AFP, AP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Kiev homenageia mortos enquanto os violentos combates prosseguem mais de 500 dias depois da invasão russa da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Kiev assinalou os mais de 500 dias passados sobre a invasão russa da Ucrânia com uma seleção de imagens da cidade. As bandeiras balançavam ao sabor do vento em memória dos ucranianos perdidos nesta guerra, ao lado de tanques russos, destruídos, que foram colocados em exposição no centro da cidade.

Momento que poderia retratar o pós-guerra mas os combates continuam. Imagens de drone, divulgadas pelas forças armadas ucranianas, parecem mostrar um ataque de morteiro a um camião militar russo. A cena foi filmada perto de Bakhmut, no meio de combates intensos e contínuos entre as forças ucranianas e russas.

Na frente leste, os soldados mostram a ajuda militar disponibilizada pelo Ocidente, enquanto França anunciou que vai fornecer mísseis Scalp de longo alcance. O Presidente Emmanuel Macron afirmava que as armas "permitirão aos ucranianos atacar em grande escala, mantendo o objetivo" de defesa do "seu território".

Já o ministro da Defesa da Rússia visitou uma fábrica de veículos blindados na República do Tartaristão. Referindo-se à intenção dos EUA de fornecer bombas de fragmentação a Kiev, Sergey Shoigu afirmou que, se isso se concretizar, Moscovo será forçado a usar "armas semelhantes" contra as forças ucranianas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia anuncia receção de armamento Wagner sem confirmação dos mercenários

Reconquista de Bakhmut continua enquanto Moscovo admite envio de 700 mil crianças para a Rússia

Forças ucranianas em intensos combates a partir de trincheiras em Bakhmut