EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eleições gerais no Equador ensombradas pela violência

Equador foi tomado de assalto pela insegurança.
Equador foi tomado de assalto pela insegurança. Direitos de autor Martin Mejia/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Martin Mejia/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Eleitores escolhem este domingo futuro presidente, mas para muito será um voto, acima de tudo, contra a violência.

PUBLICIDADE

Cerca de 13 milhões de equatorianos são chamados, este domingo, a ir às urnas para participar nas eleições gerais e escolher o futuro presidente.

Na véspera do escrutínio registou-se um novo tiroteio. Aconteceu em Quito, a capital, mesmo ao lado do restaurante onde o candidato presidencial pró-mercado Otto Sonnenholzner tomava o pequeno-almoço com a família.

Ninguém ficou ferido e Otto também não era o alvo, mas este é o exemplo de uma ferida profunda que muitos querem ver curada no país: a violência.

O fantasma do medo será determinante na hora de escolher nas urnas, e para muitos eleitores será, sobretudo, uma questão de votar contra a violência.

"As pessoas estão muito assustadas. Somos pressionados com a insegurança no dia-a-dia. Acredito que as pessoas vão votar tendo isso em conta, em quem oferecer maior segurança para o país”, explicou Jose Buitrón, um habitante local.

O clima de violência ensombrou a campanha eleitoral.

O jornalista-candidato Fernando Villavicencio, que fez campanha contra o narcotráfico e a corrupção, foi baleado e assassinado por desconhecidos ao sair de uma ação de campanha em Quito.

Oito candidatos estão na corrida para a presidência do Equador, entre os quais Luisa González, do movimento esquerdista Revolução Cidadã, que lidera as sondagens.

Este domingo, os eleitores escolhem o presidente do país (que irá concluir o mandato do atual presidente até 2025) e os 137 parlamentares que compõem a Assembleia Nacional, além de se realizarem dois referendos sobre a exploração mineira e petrolífera.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Operação para conter onda de violência no Equador faz mais de 350 detenções

Polícia encontra mais de 60 quilos de canábis em casa de autarca francesa

Christiania, em Copenhaga, quer renascer sem haxixe