Milhares de ucranianos recusam participar na guerra

Um soldado ucraniano num abrigo na linha de frente perto de Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia, 30 de agosto de 2023.
Um soldado ucraniano num abrigo na linha de frente perto de Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia, 30 de agosto de 2023. Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Ucrânia luta com a Rússia e com a recusa de milhares de ucranianos a participar na guerra. Muitos tentam fugir do país, ou pagam milhares de dólares em subornos para evitar o recrutamento.

PUBLICIDADE

As pressões da sociedade e os avisos das autoridades não foram suficientes para convencer Ivan Ishchenko, que desertou do exército e fugiu da Ucrânia um mês depois de se voluntariar para lutar contra as tropas russas invasoras.

"A minha motivação para ir para a guerra foi principalmente devido ao facto de eu ser um patriota ucraniano. Ou seja, eu queria lutar por uma Ucrânia livre, mas quando vi tudo o que estava a acontecer, o derramamento de sangue e assim por diante, percebi que estava com medo. Percebi que não podia suportar isso psicologicamente."

O pai de Bogdan Marynenko já está na linha frente do combate e, por isso, ele escapou ao alistamento. É o único homem que pode cuidar da família se o seu pai for morto em combate.

O jovem de 19 anos fugiu para a Polónia, antes de completar 18 anos.

"Tomei a decisão de atravessar a fronteira antes dos 18 anos, porque se algo acontece ao meu pai, eu sou o único que pode apoiar a minha mãe e as minhas irmãs. Apoio financeiro e moral."

Kiev diz que 6.100 homens foram apanhados a tentar deixar o país com documentos falsos para evitar participar na guerra. Desde o início da invasão russa, as autoridades ucranianas detiveram 13.600 pessoas que tentavam atravessar a fronteira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aos 79 anos, Olga despede-se da sua casa destruída por um ataque aéreo russo

Rússia mantém vaga de bombardeamentos sobre leste da Ucrânia

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”