EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Residentes do "bairro das festas", em Budapeste, estão fartos dos turistas

Animação noturna no "bairro das festas", o sétimo bairro de Budapeste, onde os residentes  estão cansados dos comportamentos dos visitantes
Animação noturna no "bairro das festas", o sétimo bairro de Budapeste, onde os residentes estão cansados dos comportamentos dos visitantes Direitos de autor cleared
Direitos de autor cleared
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Budapeste está a ser vítima do seu sucesso turístico e os residentes do chamado "bairro das festas" já estão cansados. A autarquia lançou uma campanha para sensibilizar os visitantes sobre o tipo de comportamento não aceitável, durante a noite.

PUBLICIDADE

O objetivo é evitar o "comportamento típico de despedidas de solteiro": movimentos em bando, com muito álcool, muito barulho, libertação de fluidos corporais nas ruas e destruição de objetos e mobiliário urbano.

Aquilo que os turistas conhecem como a zona dos bares era, até há uma década, um bairro residencial típico da cidade com escolas, consultório médico, burocracia e pessoas a viver tranquilamente. Sándor Szikszai, um residente, recusa-se a chamar ao seu bairro, o "bairro das festas" e diz que quando o seu filho era pequeno, "dormia regularmente durante as aulas, porque não conseguia dormir durante a noite por causa do barulho".

"Quando levamos as crianças para ao infantário, de manhã, passamos por um percurso de excrementos e urina e, às vezes, os pais deparam-se com a visão de preservativos usados atirados para a cerca do infantário. Houve um caso em que um turista bêbado entrou no jardim de infância e se deitou lá a dormir", conta.

Sándor Szikszai refere que, apesar de tudo aquilo a que estão sujeitas, algumas pessoas não se podem dar ao luxo de mudar de casa, porque vivem em apartamentos do município ou são idosas e não conseguem suportar os custos e as dificuldades de uma mudança.

A autarquia tem planos para introduzir na cidade eventos culturais para atrair uma multidão mais responsável e tenta mitigar os danos com a sensibilização dos turistas logo no aeroporto, à chegada.

O presidente da autarquia de Erzsébetváros, o sétimo bairro de Budapeste, Péter Niedermüller, explica: "Já estamos a distribuir panfletos no aeroporto e tentamos alertar os turistas de que podem enfrentar enormes penalidades se desrespeitarem os espaços públicos, se não se comportarem adequadamente, se gritarem durante a noite, e preparámos filmes "educativos" sobre que tipo de comportamento que não é aceitável."

Como o município se debate com problemas financeiros, os proprietários locais de restaurantes e discotecas criaram um fundo de ajuda: limpam as ruas após o encerramento dos estabelecimentos e pagam as despesas do pessoal de segurança para patrulhamento das oito ruas problemáticas em conjunto com os guardas do conselho local.

A repórter da Euronews, Nora Shenouda, resume a situação no antigo bairro onde se encontra uma sinagoga mundialmente famosa e existia, durante a Segunda Guerra Mundial, o gueto judeu.

"O chamado "bairro das festas" é, na verdade, apenas oito ruas no 7º bairro de Budapeste, onde em dias mais movimentados aparecem entre 25 a 30 mil pessoas. A maioria dos moradores quer paz e tranquilidade, os turistas querem divertir-se, e os comerciantes, obviamente, esperam por tantos visitantes quanto possível. Segundo o autarca, as autoridades poderiam contribuir mais para ajudar a resolver a situação. Todos têm razão, e ninguém está completamente feliz. Uma coisa é certa: apesar das boas iniciativas, os problemas do "bairro das festas" não serão resolvidos da noite para o dia."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está a fazer o antigo líder iraniano Ahmadinejad numa visita secreta a Budapeste?

Húngaros céticos e divididos quanto ao potencial de mudança das eleições europeias

Será que os cães entendem mesmo o ser humano? Cientistas húngaros acreditam que sim