EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Igreja católica suíça abalada por novo escândalo sexual com menores

Igreja católica suíça abalada por novo escândalo de abusos sexuais
Igreja católica suíça abalada por novo escândalo de abusos sexuais Direitos de autor Urs Flueeler/AP
Direitos de autor Urs Flueeler/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um novo estudo identificou mais de mil casos de abuso sexual de menores realizado realizado por padres e pessoas no seio da Igreja católica suíça, na segunda metade do século XX.

PUBLICIDADE

Um novo estudo, liderado duas historiadoras da Universidade de Zurique, vaio dar a conhecer mais um escândalo na Igreja Católica suíça. De acordo com o relatório, divulgado esta terça-feira,  Monika Dommann e Marietta Meier identificarammais de mil casos de abusos sexuais, realizados por padres e outras pessoas no seio da Igreja,desde meados do século XX.

As primeiras conclusões apontam para 1002 casos de abuso, sobretudo de menores, envolvendo 510 alegados autores e 921 vítimas. 

O estudo revela que mais de metade (56%) dos casos de abuso sexual envolveram homens ou rapazes, cerca de 39% das vítimas eram mulheres ou raparigas e, sobre os restantes 5%, o relatório não identifica as vítimas por género.

As autoras identificaram ainda que houve um encobrimento sistemático dos abusadores por parte das hierarquias eclesiásticas.

"Eles exploraram a sua própria posição religiosa e social. A mistura de manipulação psicológica e religiosa, bem como de abuso espiritual, é típica das ações dos agressores num contexto eclesiástico. Há uma responsabilidade muito, muito grande de todos os que protegeram os perpetradores e encobriram os atos", afirma Joseph Bonnemain, Bispo da diocese de Coira, na Suíça.

O grupo, mandatado pelas principais instituições católicas do país, teve carta branca para investigar os arquivos da Igreja e realizou numerosas entrevistas.

Os resultados agora revelados dizem respeito ao primeiro ano da investigação, que deverá prolongar-se por mais três anos. 

Num comunicado, as historiadoras explicam que "as situações identificadas representam certamente apenas a ponta do 'iceberg'".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Direita populista reforça o domínio no Parlamento da Suíça

Ativistas pedem lei de "tolerância zero" sobre abusos na Igreja

Vítimas de abuso sexual na Igreja francesa contestam montante das indemnizações