Euroviews. Ursula von der Leyen no centro das atenções quando o clima político está mais quente do que nunca

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, faz um discurso sobre o estado da União no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, a 15 de setembro de 2021
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, faz um discurso sobre o estado da União no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, a 15 de setembro de 2021 Direitos de autor AP Photo/Euronews
De  Ursula Woodburn, Director CISL Europe, CLG Europe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor e não representam a posição editorial da Euronews.
Artigo publicado originalmente em inglês

No momento em que a Presidente da Comissão Europeia se prepara para proferir o seu último discurso sobre o estado da União Europeia, Ursula Woodburn escreve: "Temos de olhar para o seu legado".

PUBLICIDADE

A UE tem vindo a lutar contra as alterações climáticas há décadas. Mas com este verão confirmado como o mais quente de sempre a nível mundial - é tempo de trabalhar com os nossos aliados internacionais e aumentar a temperatura da ação climática.

Na sexta-feira passada, as Nações Unidas divulgaram o seu primeiro balanço global, um processo que surge na sequência do Acordo de Paris, no qual os países se comprometeram a monitorizar os seus progressos coletivos na obtenção dos objetivos acordados.

Naquilo a que o World Resources Institute chamou um "boletim verdadeiramente condenatório" dos esforços climáticos globais, a principal mensagem a reter é que não estamos no bom caminho para cumprir o objetivo do Acordo de Paris.

Para manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus Celsius, temos de aumentar a ambição e implementar soluções tecnológicas limpas já.

Outro momento importante para o clima aconteceu no fim de semana, na cimeira do G20 em Deli.

Embora os líderes não tenham chegado a acordo sobre um calendário para a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou um acordo bem sucedido para triplicar a capacidade de produção de energia renovável a nível mundial até 2030, na perspetiva da COP28.

Onde é que isto nos deixa na Europa?

Mudanças na lista no último ano de VDL

Antes das eleições europeias do próximo ano, a controversa Lei do Restauro da Natureza foi aprovada pelo Parlamento Europeu em julho.

Frans Timmermans liderou o Acordo Verde Europeu e a política climática da UE desde 2019, lançando um dos mais amplos conjuntos de leis climáticas que o mundo já viu.

Mas agora o campeão do clima demitiu-se e a porta-voz da concorrência do bloco, Margrethe Vestager, saiu em licença para assumir a presidência do Banco Europeu de Investimento.

AP Photo/Virginia Mayo
O Comissário para o Acordo Verde Europeu, Frans Timmermans, durante uma conferência de imprensa sobre as ameaças das alterações climáticas, em junho passadoAP Photo/Virginia Mayo

Von der Leyen atuou de forma decisiva para lidar com as mudanças no colégio da Comissão Europeia - embora subsistam dúvidas sobre o impacto que isto poderá ter no seu último ano.

Atribuiu rapidamente o novo cargo de vice-presidente ao socialista eslovaco Maroš Šefčovič, que é um operador experiente nas questões energéticas mais amplas - e de quem precisaremos de um apoio robusto para o Acordo Verde.

Também entregou a pasta do clima ao antigo ministro dos Negócios Estrangeiros holandês e conservador Woepke Hoesktra.

Mas no momento em que Ursula von der Leyen se prepara para proferir o seu último discurso sobre o estado da União Europeia, na quarta-feira, temos de olhar para o seu legado.

Nem tudo são rosas, apesar das fortes medidas tomadas no meio da crise

A sua iniciativa emblemática, o Pacto Ecológico Europeu, que tem no seu cerne o conceito de sustentabilidade competitiva, provou ser resiliente face a múltiplas crises.

Em consequência, as empresas de toda a Europa estão a tomar medidas para reduzir as suas próprias emissões, estão a dialogar com as suas cadeias de abastecimento e a ponderar o que precisam de investir no futuro.

A maioria tem sido inabalável no seu apoio - mesmo apesar de uma série de crises que abalaram a UE até ao seu âmago.

Na sequência da pandemia de COVID-19, a UE concentrou-se em tornar a nossa recuperação económica mais ecológica. O plano, denominado NextGenerationEU, investiu 806,9 mil milhões de euros para tornar a Europa mais ecológica, mais digital e mais resiliente.

PUBLICIDADE
Após a guerra da Rússia na Ucrânia, o bloco intensificou a implementação de energias renováveis e medidas de eficiência para responder à crise energética.
AP Photo/Virginia Mayo
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, juntos em BruxelasAP Photo/Virginia Mayo

Na sequência da guerra da Rússia na Ucrânia, o bloco intensificou a implantação de medidas de energia renovável e eficiência para responder à crise energética.

Este facto enviou um forte sinal às empresas de que o crescimento verde era a melhor forma de garantir a resiliência a longo prazo no futuro.

No entanto, nem tudo é tão cor-de-rosa.

A evolução internacional e as decisões tomadas nos EUA e na China continuam a complicar as decisões de investimento. A porta para novos investimentos em combustíveis fósseis continua firmemente aberta e a recuperação da natureza ainda não foi suficientemente abordada.

Qual será, então, o impacto nas empresas?

PUBLICIDADE

O objetivo para 2040 deve ser abordado com firmeza

Num período em que alguns - como o Primeiro-Ministro belga Alexander de Croo - apelam a uma "pausa" regulamentar, os decisores políticos e as empresas têm de manter as mangas arregaçadas para ultrapassar quaisquer obstáculos que surjam no seu caminho.

A crise climática não está a abrandar. Tomar medidas para a enfrentar não é uma opção, pelo contrário, temos de assegurar que a transição para uma economia europeia que dê prioridade às pessoas, à natureza e ao clima avance.

As medidas já tomadas pelos decisores políticos e pelas empresas demonstraram que tal ambição está ao alcance — desde que as remoções de carbono sejam limitadas a não mais do que 8-10%.
AP Photo/Virginia Mayo
Ativistas climáticos com máscaras de líderes da UE, incluindo a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em Bruxelas, em fevereiro de 2022AP Photo/Virginia Mayo

Neste momento de instabilidade, as empresas podem fazer a diferença, apelando a uma orientação política clara e ecológica (com a profundidade, a amplitude e a escala necessárias) que as ajude a planear e a desbloquear os investimentos necessários.

Além disso, esperamos que a UE - e von der Leyen esta semana - aborde com firmeza o objetivo para 2040.

Do ponto de vista empresarial, isto significa estabelecer um objetivo climático de redução das emissões de gases com efeito de estufa no bloco em pelo menos 90% até 2040.

PUBLICIDADE

Há alguns anos, este objetivo poderia parecer impossível.

Mas as medidas já tomadas pelos responsáveis políticos e pelas empresas demonstraram que esta ambição está ao nosso alcance - desde que as remoções de carbono não ultrapassem os 8-10%.

Europa tem de atuar para se manter na corrida

Devem ser estabelecidos objetivos separados para a remoção de carbono baseado na natureza e para a remoção de carbono tecnológico - para melhorar a transparência e a responsabilidade.

O futuro a longo prazo da Europa assenta na prosperidade económica, com as empresas que investiram com êxito na sustentabilidade a manterem-se competitivas a nível mundial.

Relatórios recentes mostraram que estamos numa corrida global para o topo no que respeita às tecnologias de carbono zero, e a Europa tem de agir para se manter na corrida.

PUBLICIDADE

Todos nós, incluindo as próximas instituições da UE, teremos de trabalhar em conjunto para aproveitar a transformação permitida pelo Pacto Ecológico.

Ainda não se sabe quem será o 14º Presidente da Comissão Europeia. Entretanto, a UE tem de se empenhar e agir já.

Ursula Woodburn é diretora da delegação europeia do Cambridge Institute for Sustainability Leadership, impulsionando o apoio empresarial a uma economia neutra para o clima, positiva para a natureza e sustentável.

Na Euronews, acreditamos que todas as opiniões são importantes. Contacte-nos em view@euronews.com para enviar propostas ou submissões e fazer parte da conversa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": Discurso de von der Leyen relança a sua candidatura?

"Pela primeira vez temos uma abordagem europeia comum em matéria de imigração e asilo"

Espanha vai acabar com os vistos gold para investidores imobiliários estrangeiros