EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Euroviews. Porque é que a UE está a colocar um homem do petróleo na pasta do clima?

O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Wopke Hoekstra, segura os auscultadores durante uma declaração à imprensa em Bucareste, janeiro de 2023
O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Wopke Hoekstra, segura os auscultadores durante uma declaração à imprensa em Bucareste, janeiro de 2023 Direitos de autor AP Photo/Euronews
Direitos de autor AP Photo/Euronews
De  Martha Myers, Climate Justice Campaigner, Corporate Europe Observatory
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor e não representam a posição editorial da Euronews.
Artigo publicado originalmente em inglês

Embora o historial de negação do clima das empresas de combustíveis fósseis seja do conhecimento geral, há ainda um número preocupante de casos de portas giratórias entre as empresas de combustíveis fósseis e os nossos políticos da UE, escreve Martha Myers.

PUBLICIDADE

Os incêndios florestais devastadores, as inundações repentinas e a seca causaram devastação, bem como danos integrais nos nossos sistemas alimentares e hídricos.

Os custos são incomparáveis. Em 2021, as catástrofes climáticas custaram à União Europeia (UE) um valor devastador de 56,6 mil milhões de euros, prevendo-se que este ano seja muito superior.

Trata-se de um alerta severo para que a UE seja pioneira na ação, adaptação e atenuação sem precedentes para fazer face à crise climática.

No entanto, neste momento histórico crucial, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, nomeou o democrata-cristão neerlandês Wopke Hoekstra para o cargo de Comissário para o Clima, um ex-funcionário da Shell e conhecido ator empresarial.

Negócios offshore, pressão sobre o petróleo e o gás e subsídios às companhias aéreas

No ano passado, a Shell registou um lucro sem precedentes de 36 mil milhões de euros à custa de famílias vulneráveis, ao mesmo tempo que reduziu os seus compromissos em matéria de clima.

A empresa comprometeu-se agora com novos locais de extração para bombear combustíveis fósseis, ignorando completamente os avisos da Agência Internacional de Energia de que os novos projetos nos levarão a novos e perigosos níveis de aquecimento global.

Entretanto, o feito político mais notável de Hoekstra em matéria de clima é o de ter sido alvo de um inquérito parlamentar, no âmbito do qual promoveu a continuação da exploração de petróleo e gás no norte dos Países Baixos e rejeitou a indemnização das famílias devastadas na região.

AP Photo/Peter Dejong
Ativistas da Milieudefensie, o braço holandês da organização ambientalista Amigos da Terra, tiram fotos do lado de fora da sede da Shell em Haia, janeiro de 2011.AP Photo/Peter Dejong

O seu historial de apoio a ações no domínio do clima e da energia é pior do que zero. Durante o seu mandato como Ministro das Finanças, concedeu mais de 3,4 mil milhões de euros de apoio à companhia de aviação KLM e enfraqueceu ativamente os objetivos do Governo neerlandês de reduzir as emissões de azoto - um potente gás com efeito de estufa.

Para cúmulo, enquanto fazia parte da Comissão de Combate à Evasão Fiscal, ele próprio foi investigado depois de os Pandora Papers terem exposto as suas ações numa empresa offshore, a Candace Management, nas Ilhas Virgens. Um enorme golpe para a sua integridade.

Uma pessoa do setor petrolífero no cargo só iria deitar mais achas para a fogueira

É difícil imaginar um candidato menos adequado para liderar uma ação climática pioneira e representar a UE nas negociações sobre o clima em dezembro próximo.

A COP28 já corre o risco de ser descartada como uma casa de conversa de barões do petróleo. Um ex-representante da Shell para a UE iria deitar ainda mais achas para a fogueira.

O historial preocupante de Hoekstra não se fica por aqui. Como senador holandês, trabalhou simultaneamente para a McKinsey, o que suscita preocupações em termos de conflito de interesses, tendo em conta que a lista de clientes controversos da consultora inclui grandes empresas farmacêuticas, tabaqueiras e de combustíveis fósseis.

SEM VAN DER WAL/AFP
Wopke Hoekstra, ministro cessante das Finanças, deixa o Binnenhof após uma reunião do Comité Ministerial sobre a COVID-19, em Haia, fevereiro de 2021.SEM VAN DER WAL/AFP

Além disso, a sua relação com os políticos do sul da Europa já é tensa. Foi acusado de falta de solidariedade europeia, uma vez que se opôs ao apoio financeiro à Covid-19, ao mesmo tempo que promoveu novas medidas de austeridade.

Por isso, não é de estranhar que a sua nomeação tenha suscitado dúvidas em toda a parte.

Uma petição holandesa contra a sua nomeação ultrapassou os 30 mil signatários nas 24 horas seguintes ao seu lançamento e os eurodeputados de vários partidos manifestaram a sua preocupação.

Os eurodeputados poderão decidir enviar uma mensagem clara - e verde

A audição de setembro no Parlamento Europeu será um momento crucial para os eurodeputados rejeitarem a candidatura de Hoekstra e protegerem a integridade da ação climática da União Europeia. Essa recusa é rara, mas há precedentes de 2019 e deve acontecer novamente.

No entanto, vale a pena lembrar que Hoekstra não é um lobo solitário, a sua nomeação faz parte de uma questão sistémica mais ampla: a captura corporativa da tomada de decisões pelos grandes poluidores.

Existe um mito extremamente perigoso de que a experiência na indústria dos combustíveis fósseis equivale a conhecimentos especializados sobre a transição energética. Isto é, no mínimo, falso.

PUBLICIDADE

O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) mostra a necessidade de uma ação transformadora para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis o mais rapidamente possível, a fim de atenuar os impactos mais catastróficos em todo o mundo.

Yves Herman, Pool via AP
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, profere um discurso sobre o estado da União no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, setembro de 2021.Yves Herman, Pool via AP

Não se perguntaria à indústria tabaqueira como eliminar gradualmente o tabaco. Da mesma forma, enquanto as empresas de combustíveis fósseis forem colocadas no comando da nossa política, não veremos a ação climática sem precedentes de que necessitamos.

O principal interesse das empresas de combustíveis fósseis é manterem-se em atividade, independentemente do custo para o resto de nós ou para o planeta.

Estas empresas também continuam a injetar milhões em lóbias a favor de falsas soluções, como a captura e armazenamento de carbono e o hidrogénio, que atrasam e desviam recursos de verdadeiras soluções climáticas, mantendo o poder nas suas mãos e não produzindo nem de perto a mudança de que precisamos.

O conflito de interesses deve ser tratado como uma grande bandeira vermelha

Embora o historial de negação do clima das empresas de combustíveis fósseis seja do conhecimento geral, há ainda um número preocupante de casos de portas giratórias entre as empresas de combustíveis fósseis e os nossos políticos da UE.

PUBLICIDADE

O exemplo de Hoekstra é uma das muitas vozes da indústria que estão a ocupar posições de poder.

Chegou a altura de as instituições da UE criarem uma barreira de proteção e um quadro de conflito de interesses para restringir a influência indevida do lóbi dos combustíveis fósseis na definição das políticas climáticas e energéticas das instituições da UE, à semelhança da medida de proteção da indústria tabaqueira.

Para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis e combater a crise climática, a UE tem de manter afastados da tomada de decisões políticas não só Hoekstra, mas todos aqueles que têm conflitos de interesses e todos os poluidores e especuladores privados, em vez de lhes oferecer os lugares mais poderosos da sala.

Martha Myers é ativista da Justiça Climática no Corporate Europe Observatory, um grupo de investigação e campanha sem fins lucrativos que tem como objetivo expor os efeitos do lobbying empresarial na elaboração das políticas da UE.

Na Euronews, acreditamos que todas as opiniões são importantes. Contacte-nos em view@euronews.com para enviar propostas ou submissões e fazer parte da conversa.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chanceler austríaco saúda Sunak pelo plano de deportação para o Ruanda

Novo presidente de Taiwan diz que objetivos de anexação da China "não vão simplesmente desaparecer"

Parlamento alemão debate violência no país e condena ataque contra Robert Fico