EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eleições europeias: as questões nacionais estão a ofuscar as questões europeias?

Parlamento Europeu em Estrasburgo
Parlamento Europeu em Estrasburgo Direitos de autor Jean-Francois Badias / AP Photo
Direitos de autor Jean-Francois Badias / AP Photo
De  Amandine Hess
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em francês

Os eleitores terão em mente a ação da UE quando colocarem o seu voto na caixa nas eleições europeias de junho de 2024?

PUBLICIDADE

Nas eleições europeias, os cidadãos vão votar por razões nacionais ou europeias?

Em França, as eleições europeias são apresentadas por alguns como eleições intercalares ou como uma antecipação das eleições presidenciais de 2027.

As eleições europeias “são antes de mais nada eleições intercalares”, diz Jordan Bardella, cabeça de lista do partido de extrema-direita National Rally, que apela à “sanção da Europa de Macron”.

A tentativa e a tentação (...) são fortes para utilizar as eleições europeias como "eleições intercalares", como se diz nos Estados Unidos, em que as pessoas descarregam a sua raiva contra a equipa no poder. É claro que a extrema-direita europeia joga muito este jogo quando não está no poder.
Pascal Perrineau
Professor emérito da Sciences Po Paris - Autor de "O gosto pela política" (Éditions Odile Jacob)

"Se eu estiver na liderança, é claro que vou pedir a dissolução da Assembleia Nacional nessa mesma noite", disse Jordan Bardella numa entrevista à RTL. Mas isso não passa de um desejo, porque, segundo a Constituição francesa, só o Presidente da República pode tomar essa decisão.

"Sim, as eleições europeias de 2024 vão abrir caminho para as eleições presidenciais de 2027", disse Jean-Luc Mélenchon, que concorre a um lugar não elegível na lista da France insoumise.

Em França, esta é a única grande eleição antes da próxima eleição presidencial em 2027. Trata-se de uma eleição de lista nacional, pelo que a tentação de nacionalizar o escrutínio é forte.
Éric Maurice
Analista político do Centro de Política Europeia

Eleições nacionais de segunda ordem

Um ano após as primeiras eleições europeias, em 1979, os investigadores Karlheinz Reif e Hermann Schmitt descreveram o escrutínio como uma "eleição nacional de segunda ordem". Consideradas de pouca importância, permitiriam às forças políticas avaliar a sua popularidade a nível nacional, sobretudo se fossem realizadas a meio do mandato presidencial. Além disso, os investigadores descrevem as eleições europeias como "nacionais" porque são organizadas a nível nacional, de acordo com regras nacionais, e opõem candidatos nacionais a candidatos nacionais sobre questões nacionais. O método de votação, o dia da votação e a idade legal para votar ou candidatar-se diferem de um Estado-Membro para outro.

No entanto, vários estudos observaram o aparecimento de atitudes europeias relativamente às eleições para o Parlamento Europeu. Céline Belot e Virginie Van Ingelgom, por exemplo, mostram a existência de uma escolha eleitoral baseada em posições europeias nas eleições europeias de 2014.

Para já, a tendência para a europeização é ligeira. Não são extremamente visíveis. Foram um pouco visíveis durante as últimas eleições europeias de 2019, quando se registou um aumento da afluência às urnas. Tivemos a impressão de que mais europeus estavam interessados nas eleições europeias e no poder do Parlamento Europeu.
Pascal Perrineau
Professor emérito da Sciences Po Paris

Compras conjuntas de equipamento médico e vacinas durante a pandemia de Covid-19, adoção de sanções contra Moscovo na sequência da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia...

As crises recentes trouxeram a União Europeia, ou pelo menos a ação a nível europeu, para o primeiro plano
Éric Maurice
Analista político do Centro de Política Europeia

Será isto suficiente para dar mais visibilidade às questões europeias nas eleições de 9 de junho? Nada é menos certo, segundo o analista, porque o trabalho das instituições europeias continua a ser pouco conhecido do grande público.

Eleições nacionais

Este ano, as questões europeias poderão ser ofuscadas pelas questões nacionais nas eleições europeias, enquanto a atenção de muitos países é desviada por outras eleições. Em 2024, estão a ser organizadas cerca de dez eleições nacionais na União Europeia. Na Bélgica, as eleições federais e regionais realizar-se-ão no mesmo dia que as eleições europeias, 9 de junho. Na Finlândia, na Eslováquia, na Lituânia e na Roménia, realizam-se eleições presidenciais em 2024, enquanto em Portugal, na Áustria e na Croácia, os eleitores são chamados às urnas para eleições legislativas.

As eleições europeias podem também ser uma oportunidade para os partidos no poder ou na oposição avaliarem a sua popularidade antes de futuras eleições.

A Espanha realizou eleições no ano passado. Sabemos que o governo é bastante contestado, nomeadamente no que se refere à sua aliança com os nacionalistas catalães. Este é também um teste para o governo de Pedro Sanchez.
Éric Maurice
Analista político do Centro de Política Europeia

Na Polónia, as eleições legislativas de outubro provocaram uma mudança de governo após a derrota do partido ultraconservador Lei e Justiça (PiS) e a vitória da Coligação Cívica liderada por Donald Tusk. "Para o partido Lei e Justiça, que foi derrotado no outono, esta é também uma oportunidade para retomar o caminho a nível nacional", afirma Eric Maurice.

A mesma análise é válida para a República Checa, onde o partido do antigo primeiro-ministro Andrej Babis, que perdeu as últimas eleições presidenciais, está à frente nas eleições europeias, segundo algumas sondagens. "Para ele, é também a perspetiva de voltar ao poder, talvez nas próximas eleições presidenciais", analisa Eric Maurice.

Prevalecem as preocupações nacionais

É mais provável que os eleitores votem por razões nacionais, económicas e sociais - neste momento, o aumento dos custos da energia, os problemas da inflação - do que por questões europeias, sejam elas instituições europeias, políticas europeias ou mesmo a guerra na Ucrânia.
Pascal Perrineau
Professor emérito da Sciences Po Paris

Em França, as questões nacionais prevalecem sobre as questões europeias para metade dos inquiridos, segundo uma sondagem da Ipsos realizada para o "Le Monde", o Cevipof, a Fondation Jean Jaurès e o Institut Montaigne.

53% dos franceses inquiridos afirmaram que teriam em conta "sobretudo as propostas dos partidos sobre questões nacionais" para determinar a sua escolha de voto, e 47% sobre questões europeias.

Além disso, 52% dos franceses inquiridos afirmaram que "votariam sobretudo para manifestar o seu apoio ou oposição ao Presidente da República ou ao seu governo".

De acordo com o estudo, a europeização das preocupações está socialmente dividida.

PUBLICIDADE

"Em certos círculos - estou a pensar em particular nos trabalhadores de colarinho branco, nos executivos e nos trabalhadores com menos de 50 anos - há uma consciência de que a Europa é mais do que algo distante em Bruxelas ou Estrasburgo", explica Pascal Perrineau, que contribuiu para o estudo. "Por outro lado, em certos círculos mais afastados da Europa - estou a pensar nos operários, nos empregados, nos desempregados (...) as preocupações nacionais sobrepõem-se muitas vezes às preocupações europeias", explica o autor de "O gosto pela política" (Éditions Odile Jacob).

Em contrapartida, as questões europeias, como a imigração, a Política Agrícola Comum e o apoio à Ucrânia, também estão a entrar nas eleições nacionais.

Além disso, as questões nacionais e europeias estão tão interligadas que, por vezes, é difícil separá-las.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia: eleições locais mostram que conservadores continuam a ser força política de peso

Estão os jovens de 16 anos preparados para votar? Alguns países da UE pensam que sim

Sondagem Euronews: inflação é a grande preocupação dos europeus, portugueses são os mais alarmados