Polónia a um mês das eleições que poderão abalar a política nacional

Nas próximas eleições parlamentares na Polónia, o partido de extrema-direita Confederate, em ascensão, poderá ser o rei entre o PiS e o partido Plataforma Cívica de Tusk.
Nas próximas eleições parlamentares na Polónia, o partido de extrema-direita Confederate, em ascensão, poderá ser o rei entre o PiS e o partido Plataforma Cívica de Tusk. Direitos de autor Euronews
De  Giulia Carbonaro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A um mês das eleições legislativas polacas de 15 de outubro, a Euronews analisa a forma como a corrida pode abalar a política do país através de duas novas e arriscadas coligações.

PUBLICIDADE

A 15 de outubro, a Polónia vai a votos, com as eleições legislativas a poderem remodelar a face da política do país, uma vez que o partido no poder PiS - também conhecido como Lei e Justiça - perdeu um apoio significativo desde as últimas eleições, há quatro anos.

Enquanto em 2019 o PiS obteve 43,6% dos votos, o partido está agora vários pontos percentuais abaixo desse nível de sucesso, com 38% a 9 de setembro, de acordo com a última sondagem do jornal POLITICO.

Atrás do Pis está a Plataforma Cívica (PO) de Donald Tusk - Koalicja Obywatelska - com 30% dos votos e a Confederação de extrema-direita Liberdade e Independência - Konfederacja Wolsność i Niepodległość - com 11% dos votos.

As sondagens atuais sugerem que o PiS, que governa a Polónia desde 2015, poderá procurar um parceiro de coligação para formar o próximo governo, uma vez que não consegue alcançar uma maioria global, embora ainda não seja claro onde irá encontrar um.

Esta eleição será crucial para o futuro da política polaca, disse à Euronews Anita Prazmowska, professora da London School of Economics and Political Science (LSE) e especialista em política e história polaca.

"É muito importante porque aqueles que criticam o PiS estão absolutamente desesperados por mudanças, sentem que estão a viver num estado que está muito próximo do fascismo", acrescentou.

"Não gostam de usar essa palavra porque está associada aos nazis e a sua utilização na Polónia iria desacreditar os seus argumentos. Mas eu participei numa conferência no mês passado e disse 'isto é realmente, muito francamente, um programa fascista'."

Na Polónia, o governo é nacionalista e populista, e o populismo tem a ver com a redefinição do papel do Estado, e é por isso que lhe chamo fascista", afirmou Prazmowska.

O PiS convocou um controverso referendo sobre a migração, que terá lugar paralelamente às eleições legislativas de 15 de outubro, uma iniciativa que os críticos descreveram como uma tentativa de reunir os eleitores em torno do governo. A posição dura do partido em relação à migração ajudou-o a chegar ao poder em 2015.

Uma redefinição da política polaca através de coligações

De acordo com Prazmowska, a "energia para mudar" a face da política polaca pode vir das novas coligações que poderão ser formadas durante a corrida.

"O partido no poder está muito consciente de que Jaroslaw Kaczynsky [líder do PiS] está a chegar a uma idade em que já não é tão bom a fazer negócios, a dividir e a atrair políticos como era antes", disse Prazmowska.

"Por isso, há a sensação de que, aconteça o que acontecer, sejam quais forem os resultados eleitorais, vai haver um período prolongado de negociações. E essas negociações podem levar a uma redefinição das políticas, não das políticas governamentais propriamente ditas, mas da necessidade de coligações."

Kaczynsky, que foi primeiro-ministro da Polónia em 2006 e 2007 e é agora vice-primeiro-ministro, tem atualmente 74 anos.

Mas Prazmowska disse que ainda há dúvidas se os dois grandes grupos do eleitorado polaco - os que votaram no PiS e os que apoiaram os partidos do centro - "podem juntar votos suficientes para dar a estes partidos uma maioria, porque nenhum dos lados tem a certeza de ganhar", disse à Euronews.

Qualquer mudança real na política do país vai depender das coligações que o PiS e o partido da Plataforma Cívica de Tusk vão procurar, ressalvou Prazmowska, quer estas sejam encontradas na esquerda ou na extrema-direita, como a Konfederacja.

É possível que o PiS e Tusk façam uma aliança com a Konfederacja?

A Konfederacja, que entrou no palco da política polaca com posições extremas anti-LGTBQ+, anti-semitas e anti-migração, aumentou significativamente a base de apoio desde as eleições de 2019, quando obteve apenas 6,8% dos votos.

Um dos seus líderes, Slawomir Mentzen, de 36 anos, tem quase 800 mil seguidores no TikTok.

A sua crescente importância na política polaca faz com que o partido possa vir a desempenhar um papel de fiel da balança nas próximas eleições, com uma possível coligação com o PiS ou com o partido da Plataforma Cívica de Tusk a ser discutida pelos especialistas.

PUBLICIDADE

Atualmente, os três partidos minimizam a possibilidade de uma coligação entre si. Mas Prazmowska disse que isso pode fazer parte de uma estratégia para manter o seu eleitorado satisfeito antes de estabelecer uma aliança após as eleições.

Embora uma coligação entre o PiS e a Konfederacja possa parecer mais provável do ponto de vista ideológico, os dois partidos "não têm nada em comum nos seus programas", lembrou Prazmowska à Euronews.

"A Konfederacja é contra a forte autoridade do Estado, contra os impostos, contra a intervenção do Estado, contra o poder do Estado. E o PiS é, de facto, muito intervencionista, as suas políticas têm sido populistas, com base no pressuposto de que o Estado irá servir de previdência aos seus cidadãos."

Enquanto o PiS apoia as políticas nacionalistas e é abertamente anti-imigração, o "cartão de visita" do partido confederado, disse Prazmowska, tem sido o "antissemitismo."

AP Photo/Czarek Sokolowski
Líder do partido no poder da Polónia, Jaroslaw Kaczynski, na câmara baixa do parlamento em Varsóvia, Polónia, em agosto.AP Photo/Czarek Sokolowski

Uma das políticas que tornou Kaczynski popular, segundo a professora, foi o aumento do número de pagamentos anuais recebidos pelos pensionistas no país de 12 para 13 e a oferta de pagamentos mais elevados às famílias. Mas a Konfederacja diz que essas políticas precisam de ser eliminadas "porque o dinheiro do governo tem de ser retirado e o governo tem de se afastar."

PUBLICIDADE

Mas embora os seus programas não sugiram uma base potencial para a colaboração entre os dois partidos, Prazmowska lembra que o que os pode unir é o facto de a Konfederacja não poder ganhar sozinha - e o PiS provavelmente vir a precisar do seu apoio.

"A Konfederacja poderia fazer uma aliança com outros partidos de direita, mas continuaria a não ter deputados suficientes no Parlamento", sublinhou Prazmowska.

"Por isso, ainda podem chegar a um acordo tático com o PiS, mas talvez depois das eleições - para que ambos os partidos mantenham a sua identidade." De acordo com a professora, é provável que o PiS coloque um político da Konfederacja como primeiro-ministro ou no Ministério das Finanças após as eleições.

AP Photo/Czarek Sokolowski
Líder da oposição polaca, Donald Tusk, observa os legisladores votarem para aprovar um controverso projecto de lei no parlamento de Varsóvia, Polónia.AP Photo/Czarek Sokolowski

Outra coligação, liderada por Tusk

Existe a possibilidade de se formar outra coligação, liderada por Tusk e pela Plataforma dos Cidadãos. "Está tudo em aberto no que diz respeito a eles", disse Prazmowska. "Irão aproximar-se da esquerda e do partido dos camponeses - que tem vindo a crescer recentemente?"

Esta seria uma coligação "desconfortável", lembrou Prazmowska, porque Tusk é visto como um homem da União Europeia e o Partido Camponês não tem sido amigável com a União Europeia.

PUBLICIDADE

Prazmowska afirma também que esta potencial coligação será feita após as eleições. "É realmente antidemocrático quando pensamos nisso", disse. "Há um grande sentimento de ansiedade e insegurança nos meios de comunicação polacos."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia prolonga embargo a cereais vindos da Ucrânia

Escândalo com vistos atinge governo polaco

Tensão na região e no país influenciam campanha eleitoral polaca