EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Téologa húngara nomeada para o Sínodo da Igreja Católica

Papa Francisco rodeado pela multidão
Papa Francisco rodeado pela multidão Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Klára Csiszár quer transformar aquilo a que chama a "velha igreja proibitiva e proscritiva" numa comunidade inclusiva, que apoia a humanidade na superação dos desafios.

PUBLICIDADE

Uma teóloga húngara foi nomeada para um dos órgãos consultivos mais importantes da Igreja Católica, o Sínodo, atualmente em curso no Vaticano. 

A palavra “episcopal” foi retirada do nome da assembleia após as reformas introduzidas pelo Papa Francisco que permitem que leigos, incluindo mulheres, participem nas reuniões sobre as futuras políticas da Igreja. 

Klára Csiszár, nascida na Transilvânia, que atualmente leciona em Linz, é a única teóloga dos países do antigo Bloco de Leste a participar.

“A Igreja Católica é conhecida pelo facto de as mulheres não estarem representadas na hierarquia, ainda hoje, por isso este é um enorme passo em frente, e um grande processo de aprendizagem, devo admitir, para os bispos que não foram socializados numa Igreja onde as mulheres têm cada vez mais direitos de voto e, portanto, têm uma palavra a dizer nos assuntos da Igreja”, diz Klára Csiszár

Segundo a teóloga, uma tarefa importante da assembleia é transformar o que ela chama de "velha igreja proibitiva e proscritiva" numa comunidade inclusiva, que apoia a humanidade na superação dos desafios que enfrenta.

Acompanhamos um mundo cada vez mais ferido - e aqui estou a pensar especialmente nas migrações, na situação dos refugiados, nos desastres causados pelas mudanças climáticas, que enfrentaremos cada vez mais juntos como humanidade - e a Igreja, se leva realmente a sério a sua missão, tem de fazer alguma coisa
Klára Csiszár
Teóloga

O sínodo está a decorrer, à porta fechada, no Vaticano, num período de  três semanas, que culminam a 29 de outubro.

Com as reforma do Papa Francisco, 54 dos 365 votos do Sínodo pertencem às mulheres. Há cerca de 70 leigos a participar nos trabalhos.

Entre os temas da agenda deste Sínodo estão o papel das mulheres e a inclusão LGBTQ+, o celibato dos sacerdotes, a inclusão de homens casados ​​como sacerdotes, a bênção de casais do mesmo sexo, o acesso aos sacramentos para pessoas divorciadas e recasadas, bem como a ordenação de mulheres ao diaconado.

Outras questões em debate incluem o racismo, o tribalismo, a discriminação de classe, a discriminação contra pessoas com deficiência, a pobreza e o tráfico de seres humanos.

No programa não constavam temas normalmente abordados nestas reuniões como: o aborto, a igualdade no casamento e a eutanásia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa inicía Sínodo com mensagem de abertura e unidade na Igreja Católica

Revolução do Papa Francisco vai dar voz e voto às mulheres no Sínodo

Papa Francisco: "Migrar deveria ser uma escolha livre"