EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ajuda à Ucrânia ameaçada pela guerra entre Israel e Hamas

Ucrânia depende da ajuda militar dos EUA para combater a Rússia
Ucrânia depende da ajuda militar dos EUA para combater a Rússia Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Guerra em Israel favorece a Rússia mas os EUA têm músculo financeiro para combater em ambas as frentes

PUBLICIDADE

O apoio dos Estados Unidos tem sido fundamental para a Ucrânia na guerra contra a Rússia. Só em ajuda militar, Washington já contribuiu com mais de 46 mil milhões de dólares, ou seja, mais do que os próximos dez doadores juntos.

Volodymyr Zelenskyy insiste que é preciso mais, e a Casa Branca garante que o apoio é incondicional, mas a guerra entre Israel e o Hamas ameaça relegar a Ucrânia para segundo plano na agenda internacional.

Natasha Lindsteadt, professora de Política na Universidade de Essex, considera que “a Rússia tem muito a ganhar” com a atual situação no Médio Oriente, uma vez que “os EUA ficarão um pouco mais distraídos e há um pouco de cansaço, tanto na Europa como nos Estados Unidos, relativamente à ajuda à Ucrânia”.

Eleições norte-americanas complicam a vida à Ucrânia

De acordo com a analista política, a situação complica-se ainda mais se tivermos em conta a complexa política interna norte-americana:

“Os republicanos, particularmente os republicanos de direita, não querem continuar a ajudar a Ucrânia. Os ucranianos vão ter um problema real se os republicanos ganharem maiorias na Câmara e no Senado e se Donald Trump ganhar a presidência, porque eles deixaram bem claro que não querem continuar a apoiar a Ucrânia.”

O impasse é essencialmente político. Natasha Lindsteadt sublinha que em termos financeiros, os EUA têm orçamento suficiente para financiar as guerras de Ucrânia e Israel ao mesmo tempo:

“Os EUA têm um enorme orçamento militar de mais de 800 mil milhões de dólares. A ajuda à Ucrânia é uma parte muito, muito pequena desse orçamento. E a ajuda a Israel também é uma parte muito, muito pequena desse orçamento. Não creio que os EUA queiram envolver-se diretamente em nenhuma destas guerras, mas há definitivamente capacidade, em termos do seu orçamento, para apoiar ambas.”

EUA não podem permitir vitória russa

Apesar do apoio militar norte-americano estar condicionado pelas eleições do próximo ano, Natasha Lindsteadt considera que não podemos abandonar a Ucrânia:

“O mundo não se pode dar ao luxo de permitir que os russos ganhem. Se pararmos com a Ucrânia, quem sabe o que vai acontecer a seguir? A Rússia tem sido muito clara quanto ao facto de querer expandir a sua esfera de influência. Tem um historial de invasão de outros países, sobretudo quando o índice de aprovação de Putin é particularmente bom. Penso que, dada a proximidade da Rússia às portas da Europa, deve haver um receio genuíno de que a Rússia continue a violar os direitos dos países europeus, seja de forma indireta ou direta.”

Se no campo militar as vitórias têm escapado a Vladimir Putin, no campo político a influência do Kremlin não pára de crescer e começa a ser uma séria dor de cabeça em Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Registo de Danos é passo para indemnizar vítimas da guerra na Ucrânia

Chefes da diplomacia da UE discutem conflitos no Médio Oriente, na Ucrânia e no Nagorno-Karabakh

Contraofensiva terrestre israelita em suspenso, número de mortos dos dois lados supera os 5000