Camionistas polacos bloqueiam fronteira com a Ucrânia

Euronews
Euronews Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Camionistas polacos bloquearam vários postos fronteiriços, denunciando concorrência desleal por parte de transportadoras ucranianas

PUBLICIDADE

Camionistas polacos bloquearam três postos fronteiriços com a Ucrânia, em protesto contra o que consideram ser a inação do governo face à perda de negócios para concorrentes estrangeiros desde a invasão russa. 

As únicas passagens autorizadas têm um caráter excecional.

Tomasz Borkowski, Comité dos Transportadores e Empregadores: "O protesto será contínuo, ou seja, estaremos aqui 24 horas por dia, 7 dias por semana. Vamos bloquear o tráfego de transportes, claro - com exceção da ajuda humanitária e da ajuda ao exército ucraniano."

Os manifestantes dizem que os transportadores ucranianos, que não estão obrigados a cumprir as normas europeias, podem oferecer um serviço muito mais barato.

Bartosz Jasinski, Comité dos Transportadores e Empregadores:"A minha empresa foi atingida devido ao facto de cerca de 30 a 40% da minha frota estar simplesmente estacionada junto à vedação. Os meus contratos foram assumidos por transportadoras da Ucrânia."

Os camionistas avisaram que não abandonarão os postos fronteiriços até obterem propostas concretas do governo polaco.

Anna Dlugosz, porta-voz da polícia polaca:"Está tudo calmo. No que diz respeito aos veículos ligeiros de passageiros, não há dificuldades. Quanto aos camiões, a estrada nacional número 94 está bloqueada num troço antes do posto fronteiriço e é permitido um camião por hora."

Antes, o mercado estava regulamentado, mas em 2022 a União Europeia aboliu as licenças para ajudar a Ucrânia durante a guerra.

Sonia Sobczyk-Grygiel, analista económica, Polityka Insight: "É do interesse de todos melhorar, tanto quanto possível, os transportes transfronteiriços. Portanto, esta é uma questão e a outra é a necessidade de igualar a concorrência. O atual governo polaco, que não pode negar os méritos do apoio à Ucrânia, não foi capaz de antecipar estas ameaças. Parece crucial sentarmo-nos à mesa com os ucranianos e chegarmos a compromissos numa base vantajosa para todos. Será mais fácil para o novo Governo, porque tem a folha limpa tanto com Kiev como com Bruxelas."

O posto fronteiriço de Medyka permanece aberto por enquanto. No entanto, os manifestantes não excluem que, se as suas exigências não forem satisfeitas, outros postos fronteiriços possam ser bloqueados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Batalha do Mar Negro: drones e mísseis de longo alcance atacam a frota russa

Pelo menos 19 feridos em atropelamento na Polónia

"Serão ouvidos". Agricultores polacos fizeram maior manifestação de sempre em Varsóvia