Combates entre Israel e Hamas chegam às portas de hospital em Gaza

Palestinianos choram familiares mortos em bombardeamento israelita, junto ao hospital de Khan Younis, na Faixa de Gaza
Palestinianos choram familiares mortos em bombardeamento israelita, junto ao hospital de Khan Younis, na Faixa de Gaza Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel nega estar a fazer dos hospitais palestinianos alvo, mas afirma que elementos do Hamas se escondem por baixo dos edifícios hospitalares. Médicos em Gaza rejeitam as acusações.

PUBLICIDADE

A guerra chegou às portas do maior hospital de Gaza, onde, após o último gerador em funcionamento ter ficado sem combustível, morreram um bebé prematuro e outros quatro pacientes. Médicos, feridos de guerra e civis deslocados foram apanhados nos combates.

O exército israelita negou este sábado que haja um cerco e ataques por parte de Telavive ao hospital Al Shifa em Gaza, mas admite haver fogo cruzado com combatentes do Hamas nas proximidades do centro médico.

As forças armadas israelitas alegam que o grupo armado islâmico estabeleceu postos de comando dentro e por baixo dos hospitais, usando civis como escudos humanos. O pessoal médico rejeita as acusações e culpa Israel por ferir civis em ataques indiscriminados.

As autoridades da Faixa de Gaza, dirigida pelo Hamas, afirmam que o número de mortos na Palestina ultrapassou as 11 mil pessoas.

Israel ameaça o Líbano

A tensão aumenta também na fronteira com o Líbano, onde o Hezbollah afirma estar a introduzir novas armas nas batalhas em curso com o exército israelita.

Em resposta às ameaças, o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, deixou o aviso: se o grupo pró-iraniano arrastar o Líbano para uma guerra, Beirute pode vir a sofrer o mesmo destino de Gaza.

Gallant falava durante uma visita ao norte de Israel, na fronteira com o Líbano, onde acrescentou que "se [o Hezbollah] cometer tais erros aqui, os primeiros a pagar o preço serão os cidadãos".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arábia Saudita realiza cimeira de emergência sobre conflito em Gaza

"Sistema de saúde em Gaza está de rastos", diz diretor-geral da OMS

Agência Humanitária da ONU na Palestina alerta para "ponto de rutura" em todas as atividades