"Não vai haver Hamas": Nethanyahu revela planos para Gaza

Ofensiva de Israel nos últimos dias centra-se sobretudo na cidade de Gaza
Ofensiva de Israel nos últimos dias centra-se sobretudo na cidade de Gaza Direitos de autor Fatima Shbair/AP Photo
De  Teresa Bizarro com agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel indiferente aos apelos de cessar fogo. Netanyahu anuncia que quer desmilitarizar Gaza e está disposto a lutar até não haver Hamas

PUBLICIDADE

"Força total" até "não haver Hamas". O exército israelita endurece ainda mais a ofensiva em Gaza e o primeiro-ministro esclarece os objetivos futuros. Benjamim Netanyahu quer acabar com qualquer capacidade militar em Gaza e por as autoridades israelitas a controlar a segurança no território.

"Posso dizer-vos o que não vai acontecer - não vai haver Hamas," garantiu o primeiro-ministro israelita. 

Questionado sobre o que entendia por controlo de segurança, Netanyahu disse que as forças israelitas devem poder entrar livremente em Gaza para procurar novos militantes do Hamas.

Rejeitou também a ideia de que a Autoridade Palestiniana, que atualmente administra áreas autónomas na Cisjordânia ocupada por Israel, venha a controlar Gaza. Ambas as posições vão contra os cenários pós-guerra apresentados pelo aliado mais próximo de Israel, os Estados Unidos. O Secretário de Estado Antony Blinken já veio dizer que Washington se opõe a uma reocupação israelita de Gaza e sugere um governo palestiniano unificado em Gaza e na Cisjordânia, como passo para a criação de um Estado palestiniano.

Apelos internacionais para um cessar-fogo imediato

Este sábado, na Arábia Saudita, 57 líderes muçulmanos e árabes apelaram também ao fim da guerra em Gaza e à entrega imediata de ajuda humanitária.

Pediram também ao Tribunal Internacional de Justiça para que abra uma investigação sobre os ataques de Israel, afirmando que a guerra "não pode ser chamada de auto-defesa".

Israel recusa categoricamente quaisquer conversações de cessar-fogo, a menos que sejam libertados todos os reféns.

Por enquanto, disse Netanyahu, "a guerra contra (o Hamas) está a avançar com força total e tem um objetivo: vencer. Não há alternativa à vitória".

Hospitais em Gaza sob fogo cerrado

A pressão sobre Israel aumentou ainda mais depois dos médicos do maior hospital de Gaza terem dito que o último gerador tinha ficado sem combustível, causando a morte de um bebé prematuro, de outra criança numa incubadora e de quatro outros pacientes. Milhares de feridos de guerra, pessoal médico e civis deslocados foram apanhados nos combates.

Nos últimos dias, os combates perto de Shifa e de outros hospitais no norte de Gaza intensificaram-se e os abastecimentos esgotaram-se. Os militares israelitas alegaram, sem apresentar provas, que o Hamas estabeleceu postos de comando dentro e por baixo dos hospitais, utilizando civis como escudos humanos. O pessoal médico do Shifa negou tais alegações e acusou Israel de ferir civis com ataques indiscriminados.

A Organização Mundial de Saúde revelou entretanto que perdeu a comunicação com os seus contactos em Shifa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novos ataques de Israel em Gaza matam pelo menos 48 pessoas

Programa Alimentar Mundial suspende distribuição da ajuda alimentar no norte de Gaza

Ativistas pró-Palestina vandalizam edifício do MNE em Lisboa: "Israel Mata, Portugal Apoia"