Socialistas europeus definem estratégia já sem Costa

Líderes socialistas europeus em congresso
Líderes socialistas europeus em congresso Direitos de autor Captura de vídeo/TVE via EBU
De  Teresa Bizarro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Congresso do PSE em Málaga, Espanha, para preparar as eleições europeias de 2024

PUBLICIDADE

"Para a frente Europa" - O slogan futurista dos socialistas europeus não consegue esconder as dificuldades do presente a meses das eleições para o Parlamento de Estrasburgo.

Reunidos em Málaga, Espanha, os socialistas europeus renovaram mandato ao antigo primeiro-ministro sueco Stefan Löfven, como presidente da bancada do PSE.

O bloco atravessa um momento delicado com dois líderes europeus alvo de contestação.

Pedro Sánchez, em Espanha, por causa do acordo de governo alcançado com a amnistia aos independentistas bascos.

Em Portugal, António Costa, que se demitiu esta semana face a uma investigação de corrupção dentro do governo. Ausente do congresso, o ainda primeiro-ministro português mereceu elogios de vários líderes europeus.

O congresso foi aproveitado para marcar uma posição política comum face à guerra entre Israel e o Hamas.

"Condenamos o terrorismo do Hamas. Exigimos o regresso dos reféns sem quaisquer condições. Pedimos um cessar-fogo humanitário. E sabemos que a solução definitiva virá com o reconhecimento de um Estado palestiniano e a coexistência dos dois Estados, Israel e Palestina, em paz e segurança," afirmou Pedro Sánchez.

O PSE acolheu um novo membro de pleno direito, a Coligação Democrática da Hungria, e quatro outros como observadores: Levizja Vetevendosje (Kosovo), Partido Social Democrata da Bielorrússia - Hramada, Partido Social Democrata da Bielorrússia - Narodnaya Hramada (sim, são dois partidos diferentes) e o Partido da Liberdade e da Justiça (Sérvia).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder do PS focado no combate aos populistas, mas sem lista para Bruxelas

Centro-esquerda europeu quer combater extremistas e pondera coligação

As cinco divergências do frente a frente entre Luís Montenegro e Pedro Nuno Santos