EUA não deram "luz verde" a ataque a hospital de Gaza, civis devem ser protegidos

Destruição em Gaza
Destruição em Gaza Direitos de autor Israel Defense Forces/AP
De  Nara Madeira com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

EUA não deram "luz verde" a ataque a hospital de Gaza, para proteger civis, apesar de acreditarem que era usado pelo Hamas.

PUBLICIDADE

Os EUA não deram "luz verde às operações militares" israelitas no hospital Al Shifa. Garantia dada pelo porta-voz do Conselho de Segurança da Casa Branca. John Kirby afirmava, em conferência de imprensa, que apesar de apoiarem a tese de que o Hamas usa o hospital como escudo, não querem ataques aéreos a hospitais, nem que "civis inocentes, doentes e pessoal médico" sejam vítimas do fogo cruzado entre Hamas e as Forças de Defesa de Israel".

O exército classificava a incursão como uma operação "precisa e direcionada" contra o Hamas.

À medida que Israel aperta o cerco ao norte de Gaza começa já a falar-se em avançar para sul, onde está refugiada a maioria da população da Faixa de Gaza, para erradicar o Hamas.

As autoridades de defesa israelitas permitiram, pela primeira vez desde o início do conflito, a entrada de combustível em Gaza, que será utilizado pela Agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos para continuar transportar alimentos e medicamentos dentro do enclave.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Voltou a entrar combustível na Faixa de Gaza, mas não é suficiente

Agência Humanitária da ONU na Palestina alerta para "ponto de rutura" em todas as atividades

Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra