O inverno chega à guerra na Ucrânia

Soldados ucranianos caminham na linha de separação dos rebeldes pró-russos perto de Katerinivka, região de Donetsk, Ucrânia, terça-feira, 7 de dezembro de 2021.
Soldados ucranianos caminham na linha de separação dos rebeldes pró-russos perto de Katerinivka, região de Donetsk, Ucrânia, terça-feira, 7 de dezembro de 2021. Direitos de autor Andriy Dubchak/Copyright 2021 The AP. All rights reserved.
De  Joshua Askew
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

"Ninguém quer estar na linha da frente", disse um perito à Euronews, sublinhando o impacto negativo do mau tempo nos soldados e civis.

PUBLICIDADE

O inverno ainda agora chegou, mas já trouxe uma série de dificuldades à guerra na Ucrânia. Os exércitos de ambos os lados estão a ser afetados e os civis ucranianos também.

Tyler Kustra, professor assistente de política e relações internacionais na Universidade de Nottingham, disse à Euronews: "Pensem nos defensores ucranianos nas trincheiras".

Mais de um milhão de soldados ucranianos e russos estão atualmente a combater no leste da Ucrânia, numa altura em que as temperaturas baixam e o inverno começa a ser rigoroso.

Mas isso é apenas o início das suas preocupações.

Citando imagens de ratazanas "do tamanho de uma espingarda de assalto Kalashnikov" partilhadas nas redes sociais pelas tropas, Kustra disse que as forças russas "estão a lidar com uma grave infestação de roedores, uma vez que os ratos e ratazanas procuram calor e comida entrando nas suas trincheiras".

"Dado que os ucranianos estão do outro lado da linha da frente, preocupa-me que Putin não seja o único verme com que terão de lidar", acrescentou.

Nas últimas semanas, surgiram várias publicações e relatórios nas redes sociais que revelam a existência de pragas de roedores nas linhas da frente russas, um sinal de condições de guerra cada vez mais insalubres e degradantes para as tropas no campo de batalha.

A AFP noticiou recentemente que os ratos estavam a roer os cabos de equipamentos importantes nas trincheiras ucranianas, como aquecedores e dispositivos de Internet, o que constitui mais um problema.

A moral desce a pique no inverno

Combater no inverno é um desafio.

"Deitados nas trincheiras quando estão 10 ou 20 graus negativos, os soldados podem ficar com hipotermia", disse Marina Miron, investigadora no Departamento de Estudos de Guerra do King's College, à Euronews.

A falta de folhagem significa que não podem esconder-se ao ar livre. É necessário combustível extra e vestuário adequado "apenas para sobreviver no campo de batalha de inverno", acrescentou, colocando uma maior carga de recursos no exército de cada país. "Dito isto, ambos os lados sabem como atuar no inverno. Não é nada de novo", sublinhou.

Ainda assim, o mau tempo pode afetar mentalmente as tropas, especialmente quando estão longe da família e dos amigos.

"Ninguém quer estar na linha da frente, por isso a moral desce. As pessoas querem estar num sítio agradável e quente, em vez de estarem ao ar livre", disse Miron.

"É esse o problema, há um fator humano aqui, tanto nas limitações psicológicas como físicas de operar no inverno."

Ukrainian servicemen guard a checkpoint on a main road in Kyiv, Ukraine, Monday, March 7, 2022.
Ukrainian servicemen guard a checkpoint on a main road in Kyiv, Ukraine, Monday, March 7, 2022.Vadim Ghirda/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.

O inverno também coloca desafios aos estrategas de Kiev, dificultando o avanço no campo de batalha.

"O solo lamacento é mau para os avanços militares", disse o professor de política Kustra, com condições escorregadias que dificultam a movimentação de tropas e tanques. "O solo gelado funciona melhor."

Para além destas questões naturais, Kustra citou as observações do general ucraniano Valery Zaluzhny, publicadas no TheEconomist, segundo as quais a atual situação tecnológica significa que a Ucrânia não pode reunir forças para um ataque.

"Serão detetadas por drones russos e destruídas".

PUBLICIDADE

A contraofensiva ucraniana, lançada em junho, poderá abrandar devido ao difícil clima de inverno, não tendo alcançado os resultados esperados por alguns.

No entanto, os avanços ainda são possíveis.

"Mesmo que as operações no inverno sejam problemáticas, são diferentes", disse Miron à Euronews. Miron referiu-se à Segunda Guerra Mundial, que registou ações ofensivas significativas nos meses de inverno.

"Podemos não ver o mesmo tipo de ação rápida [como no verão, na Ucrânia]. Mas isso não significa necessariamente que não haverá operações ofensivas", explicou.

Não é claro se um dos lados será mais beneficiado do que o outro.

PUBLICIDADE

"Não se pode dizer que favoreça os ucranianos ou os russos", disse Miron. "Favorece o lado que está mais bem preparado para essas operações e que implementou todas as coisas que deveriam ser implementadas desde o início".

"Agora não é altura para julgar.

Ukrainian servicemen shoot towards Russian positions in the frontline at an undisclosed location in the Donetsk region, Ukraine, Wednesday, Nov. 23, 2022.
Ukrainian servicemen shoot towards Russian positions in the frontline at an undisclosed location in the Donetsk region, Ukraine, Wednesday, Nov. 23, 2022.Roman Chop/Copyright 2022 The AP. All rights reserved

No ano passado, os países ocidentais enviaram apressadamente vestuário de inverno, uma vez que as temperaturas geladas se tornaram um dos inimigos mais temidos de ambos os lados da linha da frente.

Fatores "mais decisivos", como a escassez de munições ou problemas de mão de obra, podem prejudicar as operações do lado ucraniano, alertou Miron.

Os Estados da UE comprometeram-se a fornecer um milhão de cartuchos a Kiev até março, embora este ambicioso objetivo pareça já inatingível.

PUBLICIDADE

O inverno também afeta os civis

Mas não são só os soldados que sofrem com o frio.

"Estou preocupado com os civis ucranianos à medida que as temperaturas descem", diz Kustra.

"No inverno passado, Putin atacou as centrais elétricas ucranianas para tentar congelar a população civil. É bem possível que volte a tentar este inverno. Frustrar os seus planos e manter o calor será uma preocupação para os militares ucranianos".

Os ataques russos destruíram as infraestruturas energéticas da Ucrânia durante o inverno, mergulhando o país na escuridão durante longos períodos e negando luz e aquecimento aos civis.

FILE - A Ukrainian paramedic treats a resident after a Russian strike in Kherson, southern Ukraine, Tuesday, Nov. 22, 2022.
FILE - A Ukrainian paramedic treats a resident after a Russian strike in Kherson, southern Ukraine, Tuesday, Nov. 22, 2022.Bernat Armangue/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.

As temperaturas médias na Ucrânia variam entre -4,8 C e 2 C entre dezembro e março, sendo frequentes as condições meteorológicas adversas, como a neve e o gelo.

PUBLICIDADE

Jade McGlynn, investigadora em Estudos de Guerra no King's College de Londres, disse à Euronews, no início deste ano, que Moscovo estava deliberadamente a "bombardear com terror" a Ucrânia.

"A intenção final é quebrar a vontade da população, para que, a dada altura, ceda e aceite a Rússia", explicou em junho, afirmando que o bombardeamento era "dirigido" pessoalmente pelo Presidente russo.

"Putin acredita que o Ocidente irá desistir e que os ucranianos ficarão gratos pelo fim do terror".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Segunda-feira Azul": Como combater a tristeza de inverno?

Ataque com drones em Odessa faz vários feridos

NATO diz que Rússia já perdeu mais de 300 mil homens na Ucrânia