Assembleia-Geral da ONU exige cessar-fogo na Faixa de Gaza

Continuam os confrontos na Faixa de Gaza
Continuam os confrontos na Faixa de Gaza Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Assembleia Geral das Nações Unidas votou terça-feira projeto de resolução que exige um período de cessar-fogo na Faixa de Gaza e a libertação imediata dos reféns pelo Hamas.

PUBLICIDADE

A Assembleia-Geral da ONU,  composta por 193 membros, votou na noite de terça-feira uma resolução que exige um  período de cessar-fogo na Faixa de Gaza: 153 votos foram a favor, dez contra e registaram-se 23 abstenções.

Ao contrário do que acontece com o Conselho de Segurança, órgão no qual os Estados Unidos vetaram, na semana passada, a exigência de um cessar-fogo em Gaza, as votações da Assembleia Geral não são vinculativas. São, porém, consideradas um barómetro fundamental da opinião mundial, pelo que ficou patente o crescente isolamento dos EUA e de Israel.

Recorde-se que o veto dos EUA no Conselho de Segurança, a 8 de novembro, ocorreu depois de António Guterres ter invocado o artigo 99 da Carta da ONU, alegando tratar-se de uma “questão que pode agravar as ameaças existentes à manutenção da paz e segurança internacionais”. Da votação resultaram 13 votos a favor, um veto e uma abstenção. 

Khan Younis e Rafah debaixo de fogo

Na Faixa de Gaza, Israel continua a atacar as cidades de Khan Yunis e Rafah, perto da fronteira com o Egito. A Organização Mundial de Saúde (OMS) veio entretanto expressar preocupação com os ataques continuados, nomeadamente com a situação das unidades hospitalares, sublinhando que o sistema de saúde em Gaza está a deteriorar-se a cada instante e que, de 36 hospitais, apenas 11 continuam ativos desde o início da guerra.

O Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, já veio dizer que Israel é responsável pela morte de mais de 18 mil pessoas desde 7 de outubro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Número de jornalistas mortos em missão é o mais baixo desde 2002

ONU diz que cessar-fogo humanitário é fundamental para salvar civis palestinianos

Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra