Condenação da "pior assassina em série" da Austrália foi anulada

Kathleen Folbigg, à direita, é abraçada pela amiga Tracy Chapman à porta do Tribunal de Recurso Criminal de New South Wales, em Sydney, Austrália
Kathleen Folbigg, à direita, é abraçada pela amiga Tracy Chapman à porta do Tribunal de Recurso Criminal de New South Wales, em Sydney, Austrália Direitos de autor Dan Himbrechts/AAP IMAGE
De  Laura Llach com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Kathleen Folbigg e a sua equipa jurídica pretendem agora obter uma indemnização "substancial" pelos anos que passou na prisão.

PUBLICIDADE

Vinte anos depois de um júri ter considerado Kathleen Folbigg culpada do assassínio dos seus quatro filhos, um tribunal de recurso australiano decidiu absolvê-la e anular a sua condenação.

Folbigg, atualmente com 55 anos, já tinha sido perdoada pelo governo do estado de Nova Gales do Sul e libertada da prisão em junho, depois de um cientista espanhol ter provado que os seus quatro filhos podiam ter morrido de causas naturais, como ela tinha insistido.

Foi apelidada de "a pior assassina em série da Austrália" depois de ter sido condenada em 2003 pelo assassínio de três dos seus filhos e por homicídio involuntário na morte do quarto.

Os procuradores afirmaram que os seus filhos, com idades compreendidas entre as nove semanas e os três anos, tinham sido sufocados por Folbigg, que sempre negou as alegações, afirmando que cada morte se deveu a causas naturais.

Na quinta-feira,  Folbigg desfez-se em lágrimas quando ouviu as palavras que esperava do Juiz Presidente Andrew Bell.

"Embora os vereditos do julgamento tenham sido razoavelmente abertos com base nas provas disponíveis, existem agora dúvidas razoáveis quanto à culpabilidade da Sra. Folbigg", afirmou Bell.

"É conveniente anular a condenação", acrescentou.

Fora do tribunal, Folbigg agradeceu aos seus apoiantes, advogados e cientistas por terem limpo o seu nome, incluindo a cientista espanhola Carola García Vinuesa, que liderou a investigação.

"Durante quase um quarto de século, enfrentei a descrença e a hostilidade. Sofri abusos em todas as suas formas. Esperei e rezei para que um dia pudesse estar aqui com o meu nome limpo", disse Folbigg.

"Estou grata pelo facto de a ciência moderna e a genética me terem dado respostas sobre a morte dos meus filhos", disse, entre lágrimas.

Como é que uma cientista espanhola teve influência no caso?

O primeiro a morrer foi o filho de Folbigg, Caleb, com 19 dias de vida. Uma noite, acordou porque tinha de ir à casa de banho. Foi ver como estava o bebé e percebeu que ele não respirava.

Perdeu então Patrick quando o bebé tinha apenas oito meses de idade. Sarah, de dez meses, e Laura, de 18 meses, morreram mais tarde. Duas das crianças tinham morrido de Síndroma de Morte Súbita Infantil.

Folbigg sempre manteve a sua inocência, mas ninguém acreditava na sua história até que uma cientista espanhola decidiu ajudá-la.

"A teoria de que ela tinha matado os filhos não tinha provas. A única prova era circunstancial, porque foi ela que os encontrou mortos", disse Vinuesa à Euronews.

"Folbigg está muito grata, não só a nós - os cientistas - mas também aos seus advogados, que fizeram a maior parte do trabalho de graça", acrescentou.

Depois de ver o caso na televisão e de saber que até 35% das mortes súbitas podem ser explicadas por fatores genéticos, Vinuesa telefonou ao seu colega, o geneticista Todor Arsov.

In this image made from video, Kathleen Folbigg reacts the day after her release from prison in Coffs Barbour, Australia, Tuesday, June 6, 2023.
In this image made from video, Kathleen Folbigg reacts the day after her release from prison in Coffs Barbour, Australia, Tuesday, June 6, 2023.POOL/AP

Decidiram compilar uma lista de genes que poderiam causar morte súbita. O passo seguinte na sua investigação científica foi visitar Folbigg na prisão e sequenciar o seu genoma.

"Descobrimos que havia uma mutação num gene que codifica a calmodulina, e esta é uma das causas mais conhecidas de morte súbita na infância", disse Vinuesa à Euronews.

PUBLICIDADE

A equipa de Vinuesa encontrou uma mutação genética em duas das filhas de Folbigg, enquanto as outras duas crianças tinham epilepsia grave e dificuldades respiratórias.

Os peritos afirmaram que a miocardite, uma inflamação do coração, era também uma possível causa da morte de Laura e que a morte súbita de Patrick pode ter sido causada por uma doença neurogénica subjacente.

O inquérito, que recomendou o perdão e a absolvição de Folbigg, foi motivado por uma petição assinada em 2021 por 90 cientistas, entre os quais dois prémios Nobel, médicos e profissionais da área, que defendiam que estas novas provas deviam ser tidas em conta.

Quando questionado sobre o resultado, Vinuesa mostra-se finalmente satisfeita, mas olha para trás com um sentimento agridoce.

"Do ponto de vista científico, foi um desafio. Foi um processo muito difícil, intenso e por vezes doloroso", disse à Euronews.

PUBLICIDADE

Enquanto Folbigg respira de alívio, o seu ex-marido, Craig Folbigg, pai dos seus quatro filhos, cujas suspeitas desencadearam a investigação policial, apelou a um novo julgamento.

"Seria a coisa mais justa a fazer. Colocar todas estas supostas novas provas perante um júri e deixar que este decida a sua culpa", afirmou o advogado de Craig Folbigg, Danny Eid.

Por outro lado, a advogada de Kathleen Folbigg, Rhanee Rego, declarou que a sua equipa jurídica iria agora pedir uma indemnização "substancial" pelos anos passados na prisão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

2024 chega a Sydney com grande espetáculo de fogo-de-artifício

Espanha em alerta devido ao mau tempo

Mobile World Congress com Inteligência Artificial em destaque deve levar 100 mil pessoas a Barcelona