Mar Vermelho: tudo o que precisa de saber sobre a crise que está a pôr em perigo o comércio mundial

Um membro dos Houthi, à esquerda, e um navio de guerra israelita no Mar Vermelho, à direita.
Um membro dos Houthi, à esquerda, e um navio de guerra israelita no Mar Vermelho, à direita. Direitos de autor Mohammed HUWAIS / AFP + CHRISTOPHER STACHYRA / DVIDS / AFP
De  Alessio Dell'Anna
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em italiano

Os ataques dos rebeldes iemenitas ameaçam pôr de rastos a indústria naval, que representa 12% do comércio mundial, no valor de 1,2 mil milhões de dólares por ano, só no Mar Vermelho.

PUBLICIDADE

Há mais de um mês que um grupo rebelde do Iémen ataca navios mercantes no Mar Vermelho.

Os Houthis, também conhecidos como os Partidários de Deus, anunciaram a sua intenção de entrar na guerra entre Israel e o Hamas do lado do povo palestiniano, atacando todos os navios com destino a Israel.

Os lançamentos de mísseis a partir do Iémen abriram mais uma frente para Israel, que já enfrenta ataques na sua fronteira norte a partir do Líbano.

Guerrieri Houthi al funerale di un loro compagno a Sana'a, Yemen, 24 novembre 2021
Guerrieri Houthi al funerale di un loro compagno a Sana'a, Yemen, 24 novembre 2021AP Photo

Quem são os Houthis?

Os Houthis são um grupo islamita pró-xiita do Iémen, apoiado militarmente pelo Irão. Foram declarados uma organização terrorista pelo governo legítimo do Iémen, pela Arábia Saudita, pelos Emirados Árabes Unidos e pela Malásia.

Atualmente, detêm grande parte do Iémen ocidental, incluindo a capital San'a'.

Em 2015, uma coligação liderada pela Arábia Saudita, da qual o governo iemenita também faz parte, declarou-lhes guerra, desencadeando um conflito que custou centenas de milhares de vidas.

A guerra entre a coligação árabe e os Houthis continua, embora tenha sido acordada uma trégua.

Un commando di Houthi piomba sulla nave da carico israeliana Galaxy Leader, domenica 19 novembre 2023
Un commando di Houthi piomba sulla nave da carico israeliana Galaxy Leader, domenica 19 novembre 2023Houthi Media centre via AP

O que se passa exatamente no Mar Vermelho?

Os Houthis estão a lançar mísseis e drones navais a partir de territórios controlados no Iémen, incluindo o porto de Hudaydah.

Desde o início dos ataques - o mais flagrante dos quais foi o sequestro de um navio israelita - "mais de duzentos navios comunicaram acidentes e cerca de 180 navios foram obrigados a mudar de rota", afirma Gokcay Balci, especialista em logística da Universidade de Bradford.

Para além de alguns danos superficiais, nenhum navio foi afundado ou sofreu baixas.

No entanto, a concentração de ataques numa faixa marítima com apenas 32 quilómetros de largura, entre o Iémen e o Djibuti, complica a circulação do comércio.

Quais foram as consequências?

Pelo menos oito dos dez maiores armadores do mundo - incluindo a MSC e a Maersk - suspenderam temporariamente todas as viagens no Mar Vermelho, decidindo virar para o Cabo da Boa Esperança, na África do Sul, para chegar à Europa.

Um desvio de 9.000 quilómetros, que resultou em "entre seis e 14 dias extra de viagem", de acordo com Guy Platten, secretário-geral da Câmara Internacional da Marinha Mercante.

Os especialistas concordam que estes enormes desvios não tiveram, por enquanto, um efeito substancial no preço das mercadorias.

No entanto, as apólices de seguro dos navios aumentaram e, naturalmente, também o consumo de combustível. Segundo Gokcay Balci, o aumento das emissões de dióxido de carbono situa-se entre 20% e 35%. Algumas empresas estão também a pagar uma sobretaxa de 500 a 1000 dólares a mais por carga.

La portaerei americana USS Dwight D. Eisenhower attiva nel Golfo Persico il 26 novembre 2023
La portaerei americana USS Dwight D. Eisenhower attiva nel Golfo Persico il 26 novembre 2023US Navy via AP

Como está a reagir o Ocidente?

A 19 de dezembro, os Estados Unidos anunciaram uma operação denominada "Prosperity Guardian" para restabelecer a ordem no Mar Vermelho. Trata-se de uma coligação internacional da qual fazem parte, entre outros, o Reino Unido, a França, a Itália, a Espanha, os Países Baixos, a Noruega, a Austrália e as Seychelles.

O sinal foi recebido de forma positiva por alguns armadores, entre os quais a Maersk, que, alguns dias após a chegada dos primeiros navios americanos à zona, anunciou que retomaria a rota do Mar Vermelho "o mais rapidamente possível".

O que é que pode acontecer agora?

Se os Houthis não pararem os ataques, os Estados Unidos e a sua coligação "podem ser muito agressivos e decidir neutralizar algumas das posições rebeldes", diz Chris Doyle, diretor do Council for British-Arab Understanding, acrescentando, no entanto, que "não é uma tarefa fácil atingi-los nas colinas do Iémen".

PUBLICIDADE
Sostenitori degli Houthi sorreggono una bandiera palestinese durante una manifestazione a Sana'a, Yemen, 17 maggio 2021
Sostenitori degli Houthi sorreggono una bandiera palestinese durante una manifestazione a Sana'a, Yemen, 17 maggio 2021AP/Hani Mohammed

"Os Houthis têm sido capazes de lançar mísseis contra a Arábia Saudita, atingindo alvos vitais como as infraestruturas petrolíferas, bem como os Emirados Árabes Unidos. Têm mísseis que podem viajar mais de 1.600 quilómetros. É perigoso, mas não fazer nada pode ser igualmente problemático, além de colocar em risco uma rota importante como o Mar Vermelho", explica Chris Doyle.

Os Houthis afirmaram que vão continuar estes ataques até que Israel pare as operações em Gaza.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marinha iraniana sequestra petroleiro no Mar Vermelho

Egipto apresenta plano para acabar com guerra em Gaza, OMS preocupada com hospitais

Companhias de navegação avisam para evitar Mar Vermelho