EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Rússia lança "um dos maiores ataques do ano" contra a Ucrânia

Volodymyr Zelenskyy agradeceu aos EUA a mais recente fatia da ajuda militar
Volodymyr Zelenskyy agradeceu aos EUA a mais recente fatia da ajuda militar Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP, AFP, EBU
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de 110 mísseis foram disparados contra território ucraniano na última noite, segundo o presidente Volodymyr Zelenskyy.

PUBLICIDADE

Volodymyr Zelenskyy diz que a Rússia enviou, na noite de quinta para sexta-feira, cerca de 110 mísseis para a Ucrânia, naquele que foi um dos mais poderosos ataques deste ano. Segundo o Ministério do Interior, este mais recente ataque fez, pelo menos, 18 mortos.

Os ataques russos mataram três pessoas e feriram nove na quinta-feira em duas aldeias na região de Zaporíjia, no sul da Ucrânia, de acordo com as autoridades locais.

Dois pescadores morreram no bombardeamento da aldeia de Bilenke e cinco civis ficaram feridos. Esta localidade, cerca de trinta quilómetros a sul de Zaporíjia, está situada nas margens do rio Dnipro, cujas águas servem de separação natural entre os exércitos russo e ucraniano.

Outro ataque, na aldeia de Orikhiv, causou a morte de um residente e quatro feridos, segundo as autoridades. As forças russas também fizeram vários ataques nas regiões de Kharkiv e Kherson. Povoações da zona de Beryslav foram bombardeadas durante a manhã de quinta-feira. Quarta-feira, os militares russos bombardearam a margem direita de Kherson: foram atingidos edifícios residenciais, infraestruturas e instalações médicas e educativas.

Zelenskyy agradece aos EUA

No discurso de quinta-feira à noite, o presidente ucraniano agradeceu ao Congresso e ao presidente dos EUA a mais recente fatia de ajuda militar, uma ajuda cuja continuação posta em perigo pela postura do Partido Republicano, que está a bloquear novas ajudas no Congresso.

"Gostaria de agradecer aos Estados Unidos pelo novo pacote de defesa - o 34.º este ano e o 54.º desde que começámos a defender-nos contra a agressão russa. Estou grato ao Presidente Biden, ao Congresso - a ambos os partidos - e a todos os que nos apoiam numa tarefa muito específica: O terror russo tem de ser derrotado", disse Zelenskyy no discurso.

Helicópteros da polícia ajudam exército

Nesta guerra, que dura há quase dois anos, o exército tem na polícia um aliado fundamental, muito graças aos helicópteros que são a forma mais rápida de retirar feridos e que, até à data, já salvaram mais de 2500 pessoas. Onde um veículo de evacuação não consegue passar ou demora várias horas a chegar, os helicópteros demoram várias vezes menos tempo.

Os helicópteros da Polícia Nacional que apareceram na Ucrânia em 2021. Desde o início da invasão russa em grande escala, têm sido utilizados para retirar soldados feridos.

A velocidade máxima do Airbus H-145 é superior a 250 km/hora. Percorre dezenas de quilómetros em minutos. As principais vantagens da evacuação por helicóptero são a rapidez e o conforto. Os pilotos podem percorrer centenas de quilómetros em poucas horas.

Em tempo de guerra, cada evacuação é coordenada com as forças militares, o serviço médico e as forças de defesa aérea. Durante os ataques com mísseis, os pilotos têm por vezes de aterrar ou voar em condições meteorológicas difíceis. Enquanto a guerra durar, a polícia socorre os militares. Em tempo de paz, muitos helicópteros funcionais terão outras tarefas, incluindo a perseguição de infratores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia responde com drones a ataque maciço da Rússia

"Um pedaço do nosso calor àqueles que nos protegem": presentes de Natal para as tropas ucranianas

Zelenskyy pede fim das restrições à utilização de armamento norte-americano contra a Rússia