Estado Islâmico reivindica ataque bombista mortífero no Irão

Este foi o atentado mais mortífero no Irão desde a Revolução Islâmica de 1979
Este foi o atentado mais mortífero no Irão desde a Revolução Islâmica de 1979 Direitos de autor Sare Tajalli/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ataque durante as comemorações do aniversário da morte do general Soleimani fez pelo menos 84 mortos, segundo o mais recente balanço. É o atentado mais mortífero no Irão desde a Revolução Islâmica.

PUBLICIDADE

O Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, avisou os responsáveis pelo ataque bombista mortífero de quarta-feira que "pagarão um preço elevado".

O balanço mortal do ataque foi ligeiramente revisto em baixa, relativamente aos números anteriores, depois de se descobrir que alguns nomes tinham sido contados a dobrar. Pelo menos 84 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas nas comemorações do aniversário da morte de um importante general iraniano morto pelos EUA em 2020. O ataque foi reivindicado, esta quinta-feira, pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

Antes desta reivindicação ter sido feita, o presidente Raisi acusou Israel e os Estados Unidos de envolvimento, mas o Irão tem vários inimigos que podem estar por detrás do ataque, incluindo grupos de exilados, organizações armadas ou estados estrangeiros.

As imagens de satélite mostram uma multidão de várias centenas de pessoas reunidas junto à sepultura do general Qassem Soleimani, quando ocorreram duas fortes explosões.

Soleimani era chefe da brigada de elite dos Guardiães da Revolução iraniana e foi morto em 2020 num ataque ordenado pelos Estados Unidos, então liderados por Donald Trump. Quanto a este mais recente ataque, o Departamento de Estado norte-americano considera as acusações de envolvimento "ridículas" .

Diz Matthew Miller, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA: "Os Estados Unidos não estiveram envolvidos de forma alguma, e qualquer sugestão em contrário é ridícula. Em segundo lugar, não temos razões para acreditar que Israel tenha estado envolvido nesta explosão. "

O atentado de quarta-feira surge no meio de tensões acrescidas na região, depois de o vice-líder do grupo palestiniano Hamas, apoiado pelo Irão, ter sido morto num aparente ataque de um drone israelita no Líbano. As autoridades iranianas declararam esta quinta-feira como um dia de luto nacional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suspeitos de ataque a igreja na Turquia detidos

Irão dispara mísseis contra consulado dos EUA em região curda do Iraque

ONU pede "contenção máxima" depois da morte do vice-presidente do Hamas num ataque em Beirute