EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Hezbollah sem medo de entrar em guerra com Israel após ataque em Beirute

Risco de escalada do conflito no Médio Oriente preocupa comunidade internacional
Risco de escalada do conflito no Médio Oriente preocupa comunidade internacional Direitos de autor Associated Press
Direitos de autor Associated Press
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líder do Hezbollah culpa Israel pela morte de alto dirigente do Hamas em Beirute e avisa: "Não temos medo da guerra".

PUBLICIDADE

O líder do Hezbollah está convencido que a morte do número dois do Hamas, Saleh al-Arouri, nos arredores de Beirute foi o resultado de uma "agressão israelita flagrante".

Hassan Nasrallah aproveitou o discurso desta quarta-feira, no qual assinalou o aniversário da morte do general iraniano Soleimani, para deixar alguns avisos a Israel.

O líder do movimento xiita libanês diz que a partir do ataque de 7 de outubro "todas as pessoas viram quem é que continua a desafiar a comunidade internacional", lembrando que Israel e os Estados Unidos não apoiaram a recomendação de um cessar-fogo em Gaza.

Nasrallah acusou Telavive de querer passar uma "imagem de vitória" ao matar o vice-líder do Hamas, reafirmando que o assassinato de Saleh al-Arouri "não ficará impune".

"Se o inimigo pensa em entrar em guerra com o Líbano, então a nossa luta não terá limites nem regras. E eles [Israel] sabem o que quero dizer [...] Não temos medo da guerra. Não a tememos. Não estamos hesitantes", assegurou Nasrallah.

O chefe dos serviços secretos israelitas (Mossad), David Barnea, também prometeu esta quarta-feira que a agência "vai perseguir todos os membros do Hamas envolvidos nos ataques de 7 de outubro” a Israel.

Telavive continua a recusar comentar as informações de que teria sido o autor do assassinato de Saleh al-Arouri.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Borrell no Líbano: "Este conflito é a última coisa de que o país precisa"

Pelo menos 103 mortos em explosões durante cerimónia de aniversário da morte do general Soleimani

Ataque ao campo de al-Mawasi, Netanyahu: "Não há certezas sobre a morte de Deif"