Forças israelitas terminam operações no norte de Gaza

Seis palestinianos morrem num ataque israelita a Cisjordânia
Seis palestinianos morrem num ataque israelita a Cisjordânia Direitos de autor Majdi Mohammed/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

De acordo com o porta-voz militar israelita, as forças do país de Netanyahu vão "concentrar-se no centro e sul do território".

PUBLICIDADE

As forças israelitas deram sinal de que terminaram os grandes combates no norte da Faixa de Gaza, ao afirmarem que concluíram o desmantelamento da infraestrutura militar do Hamas.

O porta-voz militar israelita, o Contra-Almirante Daniel Hagari, disse que as forças se iriam concentrar agora no centro e sul do território, e que iriam reforçar a defesa ao longo da vedação da fronteira entre Israel e Gaza. 

Entretanto, este fim de semana pelo menos seis palestinianos e um membro da polícia paramilitar israelita foram mortos em confrontos na Cisjordânia ocupada por Israel, segundo o Ministério da Saúde da Palestina e os militares israelitas.

As forças de segurança israelitas estavam a operar em Jenin, no sábado à noite, quando os confrontos eclodiram. Os acontecimentos seguiram-se a ataques militares mortais e a um aumento das restrições impostas aos residentes palestinianos em toda a Cisjordânia durante a guerra entre Israel e o Hamas.

De acordo com as Nações Unidas, a violência contra os palestinianos por parte dos israelitas no território também atingiu níveis recorde.

O Ministério da Saúde palestiniano afirma que as forças israelitas mataram 329 palestinianos na Cisjordânia desde o ataque do Hamas no sul de Israel, a 7 de outubro, no qual 1.200 pessoas foram mortas e cerca de 240 foram feitas reféns.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desnutrição ameaça sobrevivência de milhares de crianças em Gaza

Ataque israelita mata comandante de topo do Hezbollah no Líbano

ONU pede "contenção máxima" depois da morte do vice-presidente do Hamas num ataque em Beirute