Ataque com mais de 50 mísseis na Ucrânia faz quatro mortos e dezenas de feridos

Equipas de bombeiros procuram por sobreviventes nos escombros
Equipas de bombeiros procuram por sobreviventes nos escombros Direitos de autor AP/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Rússia lançou ataque com mais de 50 mísseis e drones Shahed em várias regiões da Ucrânia. Quatro pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.

PUBLICIDADE

A Rússia lançou mais de 50 mísseis, assim como drones Shahed, na Ucrânia, na madrugada desta segunda-feira. 

A Força Aérea Ucraniana revelou ter intercetado 18 dos mísseis de cruzeiro e todos os drones.

Os ataques aéreos russos desta segunda-feira atingiram uma série de áreas urbanas, incluindo moradias e um centro comercial, em quatro regiões ucranianas: Zaporíjia, Khmelnytsky, Dnipropetrovsk e Kharkiv.

Pelo menos quatro pessoas morreram e dezenas ficaram feridas. Neste momento, decorrem operações para salvar pessoas presas nos escombros.

O Ministério da Defesa da Rússia reconheceu que as suas Forças Armadas realizaram "um ataque coletivo" com mísseis de precisão de longo alcance, contra "instalações do complexo militar-industrial ucraniano", sublinhando que há centenas de soldados ucranianos mortos.

Na região de Lugansk, ocupada pela Rússia, no leste da Ucrânia, um avião de guerra russo lançou acidentalmente uma bomba na cidade de Rubizhne. De acordo com o governador da região nomeado por Moscovo, Leonid Pasechnik, não há feridos a registar.

Já as autoridades ucranianas alegam que há vítimas.

O incidente ocorre seis dias depois de um avião da Força Aérea Russa ter lançado acidentalmente um míssil contra Petropavlovka, uma localidade na região russa de Voronezh, no oeste do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um morto e vários feridos após ataque ucraniano em regiões fronteiriças russas

UE sem conseguir dar contra-resposta à importação russa de artilharia

O inverno chega à guerra na Ucrânia