EUA e Reino Unido lançam ataques contra alvos Houthi no Iémen

Estima-se que 12% do transporte marítimo mundial passe pelo Mar Vermelho
Estima-se que 12% do transporte marítimo mundial passe pelo Mar Vermelho Direitos de autor AP/UK MOD © Crown copyright 2024
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Joe Biden disse que "não hesitará" em lançar novos ataques para assegurar a passagem dos navios de comércio pelo Mar Vermelho.

PUBLICIDADE

O Reino Unido e os Estados Unidos, com o apoio da Austrália, do Bahrein, do Canadá e dos Países Baixos lançaram durante a noite ataques aéreos maciços contra mais de uma dezena de locais utilizados pelos rebeldes Houthi apoiados pelo Irão no Iémen, que nos últimos dois meses têm levado a cabo ataques contra navios mercantes ocidentais, numa alegada manifestação de apoio ao Hamas na guerra contra Israel.

A ação envolveu mísseis Tomahawk lançados por navios de guerra, submarinos e jatos de combate, confirmaram as autoridades.

Os militares britânicos afirmaram que o contratorpedeiro estacionado na região, o HMS Diamond, conduziu um "ataque cuidadosamente coordenado para reduzir a capacidade dos Houthis de violar o direito internacional", depois de terem danificado uma série de navios mercantes e de terem visado embarcações militares nas últimas semanas.

O Reino Unido afirmou que quatro aviões Typhoon baseados em Chipre utilizaram bombas guiadas Paveway para atacar duas das instalações Houthi, incluindo um local no noroeste do Iémen que, segundo os militares britânicos, era utilizado para lançar drones de reconhecimento e ataque.

As forças britânicas também atingiram um aeródromo que, segundo os serviços secretos, foi utilizado para lançar mísseis de cruzeiro e drones sobre o Mar Vermelho.

Militares norte-americanos atingem mais de 60 alvos no Iémen

Entretanto, os militares norte-americanos afirmam ter atingido mais de 60 alvos em 16 locais no Iémen, incluindo "nós de comando e controlo, depósitos de munições, sistemas de lançamento, instalações de produção e sistemas de radar de defesa aérea".

O Presidente Joe Biden afirmou que os ataques tinham como objetivo demonstrar que os EUA e os seus aliados "não tolerarão" os ataques incessantes do grupo militante no Mar Vermelho. Disse também que só tomaram a iniciativa depois de tentativas de negociações diplomáticas e de uma deliberação cuidadosa.

"Estes ataques são uma resposta direta aos ataques sem precedentes dos Houthi contra embarcações marítimas internacionais no Mar Vermelho - incluindo a utilização de mísseis balísticos antinavio pela primeira vez na história", afirmou Biden num comunicado. O mesmo disse, por seu lado, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak.

O presidente norte-americano observou que os ataques colocaram em perigo elementos da marinha dos EUA e das marinhas mercantes internacionais, comprometendo o comércio, e acrescentou: "Não hesitarei em tomar outras medidas para proteger o nosso povo e o livre fluxo do comércio internacional, conforme necessário".

Estima-se que 12% do transporte marítimo mundial passe pelo Mar Vermelho.

Explosões ouvidas na capital do Iémen

Os jornalistas da Associated Press na capital do Iémen, Sanaa, ouviram quatro explosões na madrugada de sexta-feira, hora local. Dois residentes de Hodieda disseram ter ouvido cinco fortes explosões que atingiram a zona portuária ocidental da cidade, que fica no Mar Vermelho e é a maior cidade portuária controlada pelos Houthis. Testemunhas oculares que falaram com a AP também disseram ter visto ataques em Taiz e Dhamar, cidades ao sul de Sanaa.

Os ataques marcaram a primeira resposta militar internacional ao que tem sido uma campanha persistente de ataques com drones e mísseis a navios comerciais desde o início da guerra entre Israel e o Hamas.

O ataque militar coordenado ocorre apenas uma semana depois de a Casa Branca e uma série de nações parceiras terem emitido um último aviso aos Houthis para cessarem os ataques ou enfrentarem uma potencial ação militar.

O aviso parece ter tido, pelo menos, um impacto de curta duração, uma vez que os ataques cessaram durante vários dias.

No entanto, na terça-feira, os rebeldes Houthi dispararam a maior série de sempre de drones e mísseis contra a navegação no Mar Vermelho, tendo os navios dos EUA e do Reino Unido e os caças americanos respondido, abatendo 18 drones, dois mísseis de cruzeiro e um míssil antinavio.

Na quinta-feira, os Houthis dispararam um míssil balístico antinavio para o Golfo de Aden, que foi visto por um navio comercial mas não o atingiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que há divisão na UE sobre operação dos EUA contra Houthis?

Rebeldes houthis reivindicam dois ataques no Mar Vermelho e contra Israel

Maersk suspende navegação no Mar Vermelho depois de ataques