Eleições europeias: qual o grau de empenhamento dos jovens franceses?

Um homem vota para as eleições europeias e para um referendo local sobre o campo de Tempelhof numa assembleia de voto em Berlim, Alemanha, no domingo, 25 de maio de 2014.
Um homem vota para as eleições europeias e para um referendo local sobre o campo de Tempelhof numa assembleia de voto em Berlim, Alemanha, no domingo, 25 de maio de 2014. Direitos de autor A3390/_Kay Nietfeld/AP
De  Ilaria Federico
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em francês

Dentro de alguns meses, em junho, será altura de votar e eleger os nossos representantes no Parlamento Europeu. Será que os jovens eleitores franceses se sentem envolvidos neste processo democrático?

PUBLICIDADE

Dentro de alguns meses, em junho, uma nova etapa crucial aguarda os cidadãos dos Estados-Membros da União Europeia: votar e eleger os seus representantes para o Parlamento Europeu. Nas últimas eleições de 2019, registou-se um aumento significativo de 50% na participação dos jovens em comparação com as eleições de 2014.

No entanto, a situação foi ligeiramente diferente em França, entre os jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 39. A participação eleitoral deste grupo etário oscilou entre 32% e 37%, abaixo dos níveis registados noutros países da UE, como a Dinamarca, a Alemanha e a Bélgica, onde entre 60% e 90% dos jovens eleitores votaram.

Qual é a situação atual? Será que os jovens eleitores franceses se sentem envolvidos neste processo democrático?

Falámos com alguns deles. E os resultados falam por si. "Acho que não vou votar, porque nem sequer sabia quando era o dia. E não me interessei muito pelos candidatos nem pelos partidos", explica uma jovem. "Acabei de fazer 18 anos e não sei muito sobre como as coisas funcionam, por isso é evidente que é preciso fazer mais para nos informar", comenta um jovem. "Tenho 19 anos, vou fazer 20 em breve este ano, e nunca ouvi falar de nada. Só se sabe que há eleições, mas não se sabe nada sobre isso", acrescenta uma rapariga.

Perante esta falta de interesse, o movimento Jovens Europeus - França (Les Jeunes Européens France)** está a agir, organizou recentemente uma simulação do Parlamento Europeu.** Em Paris, no dia 20 de janeiro, estudantes do ensino secundário e jovens de várias cidades francesas tiveram a oportunidade de "vestir a pele" de deputados ao Parlamento Europeu. Esta iniciativa insere-se no âmbito do projeto MEET, financiado pela Comissão Europeia, que visa promover debates em vários pontos da Europa para estimular a participação cívica dos jovens.

"Não creio que os jovens franceses estejam particularmente bem informados sobre as questões europeias e o funcionamento do Parlamento Europeu", afirma Laure Niclot, Presidente do movimento. "Penso que o último Eurobarómetro revelou que apenas 14% dos franceses sabiam a data das eleições europeias. Por isso, é um verdadeiro desafio para nós sermos capazes de os mobilizar, sensibilizar e informar sobre estas questões".

"Penso que projetos como o de hoje, organizado pelos Jovens Europeus, nos permitem dialogar com os jovens e ajudá-los a compreender, em termos práticos, como funciona a União Europeia, como funcionam as instituições europeias, o papel do Parlamento, o papel da Comissão, o papel do Conselho", explica Jessica Larsson, Chefe Adjunta da Representação da Comissão Europeia em França. "Penso que esta educação é muito importante para compreender que a Europa é uma democracia e é também uma democracia participativa, como vimos com a Conferência sobre o Futuro da Europa, cujo objetivo é mobilizar e ouvir as expetativas dos cidadãos europeus".

O que é que a UE está a fazer para informar os jovens sobre as eleições europeias?

"É importante votar com conhecimento de causa. Para isso, existem os sítios Web da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu. Há também as nossas representações europeias em França. Também temos um sítio Web. Também estamos presentes nas redes sociais", explica Jessica Larsson. "Por isso, há muito acesso à informação e é extremamente importante informar-se, fazer perguntas e procurar respostas e, talvez, procurar eventos como o de hoje para o fazer não apenas virtualmente". Para encontrar outras iniciativas participativas, Jessica Larsson convida os jovens a consultar a plataforma ensemble.eu.

Com um texto na mão, os estudantes debatem e procuram soluções para melhorar um projeto de lei da UE. "O que pedimos aos alunos foi que estudassem um texto, uma resolução do Parlamento Europeu sobre a Convenção sobre o Futuro da Europa. Eles estão num grupo político, por isso o seu objetivo é ver o que podem alterar no texto", explica um voluntário de Les Jeunes Européens France.

"Temos a oportunidade de ver as negociações entre os diferentes partidos. Através desta simulação, podemos colocar-nos no lugar e no papel destes deputados europeus, o que nos ensina mais do que uma palestra num anfiteatro", comenta um jovem participante entusiasmado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições UE: Comissão Europeia pede a Taylor Swift que mobilize jovens

Centro-esquerda europeu quer combater extremistas e pondera coligação

Extrema-direita poderá subir a segunda força no Parlamento Europeu