Guterres diz que rejeição israelita da solução dos dois Estados é "inaceitável"

Faixa de Gaza
Faixa de Gaza Direitos de autor Peter K. Afriyie/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O secretário-geral da ONU frisou que "o direito do povo palestiniano a construir o seu próprio Estado independente tem de ser reconhecido por todos"

PUBLICIDADE

O secretário-geral das Nações Unidas considerou "inaceitável" a rejeição de Israel da solução dos dois Estados, defendendo que a ocupação israelita dos territórios palestinianos tem de acabar.

Num debate do Conselho de Segurança da ONU, António Guterres frisou que "o direito do povo palestiniano a construir o seu próprio Estado independente tem de ser reconhecido por todos" e que "qualquer recusa de aceitar a solução dos dois Estados por qualquer parte tem de ser firmemente rejeitada".

O primeiro-ministro israelita tem manifestado oposição públicaà solução dos dois estados num eventual cenário pós-guerra e garante que quer assumir o controlo total da Faixa de Gaza, apesar de já ter sido admoestado pelo presidente norte-americano, Joe Biden, e também pelo chefe da diplomacia europeia.

Guterres defendeu ainda que a negação ao povo palestiniano do direito à condição de Estado prolongaria indefinidamente um conflito que se tornou uma ameaça à paz e à segurança globais. "Isso exacerbaria a polarização e encorajaria os extremistas em todo o mundo", sublinhou.

ONU consegue levar combustível ao Hospital Al-Shifa

As agências das Nações Unidas continuam a ter de cumprir missões de alto risco para conseguirem levar ajuda aos palestinianos na Faixa de Gaza, perante o cerco israelita: na segunda-feira, a Organização Mundial de Saúde e outras organizações parceiras, como os Médicos Sem Fronteiras, levaram combustível ao Hospital Al-Shifa, no norte de Gaza, onde centenas de milhares de pessoas permanecem sem ajuda.

 Apesar dos atrasos nos postos de controlo israelitas e das estradas praticamente destruídas, a missão humanitária da ONU conseguiu fazer chegar cerca de 19 mil litros de combustível ao hospital, onde trabalham 120 profissionais de saúde e permanecem cerca de 300 doentes. São realizadas entre cinco a dez cirurgias por dia, a maioria devido a lesões traumáticas que requerem urgência.

A ofensiva israelita, segundo o Hamas, que não diferencia civis e combatentes, já matou 25.490 pessoas, a maioria mulheres e crianças, e feriu outras 63 mil.

Estima-se que 85% da população da Faixa de Gaza, de 2,3 milhões de pessoas, tenha sido obrigada a abandonar a sua casa. Um quarto dos que permanecem no território correm o risco de morrer à fome.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Familiares de reféns israelitas em protesto junto à casa de Netanyahu

Israel ataca processo movido pela África do Sul como "hipocrisia"

Ofensiva israelita avança para sul de Gaza: Há combates em Khan Younis