Familiares de reféns israelitas em protesto junto à casa de Netanyahu

Relatives and supporters of the Israeli hostages held in the Gaza Strip by the Hamas militant group attend a protest calling for their release
Relatives and supporters of the Israeli hostages held in the Gaza Strip by the Hamas militant group attend a protest calling for their release Direitos de autor Ohad Zwigenberg/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Familiares e amigos dos reféns israelitas em cativeiro pressionam primeiro-ministro para chegar a acordo com o Hamas.

PUBLICIDADE

Os familiares e amigos dos reféns israelitas retidos na Faixa de Gaza derramaram líquido vermelho a imitar sangue e bateram em tambores num protesto junto à residência privada do primeiro-ministro de Israel, em Jerusalém.

 O objetivo é pressionar Benjamin Netanyahu - que nos últimos dias voltou a rejeitar quaisquer acordos com o Hamas - para que atue, com o executivo, no sentido de garantir a libertação das cerca de 130 pessoas ainda em cativeiro em Gaza.

Desde a noite de domingo que dezenas de pessoas se têm concentrado na rua da residência do primeiro-ministro isrelita, chegando a bloquear o trânsito ao colocar cadeiras e tendas na berma da estrada. 

Os familiares dos reféns têm discursado à vez e as palavras de ordem são contra o governo, considerado responsável pela demora na libertação dos reféns. "O governo é responsável pelas vidas dos reféns", ouviu-se na rua.

Segundo os manifestantes, as tendas só serão desmontadas quando Netanyahu concordar com um acordo para o regresso dos reféns.

Na segunda-feira, os familiares dos reféns do Hamas na Faixa de Gaza invadiram mesmo uma reunião da Comissão de Finanças do parlamento israelita, exigindo a libertação dos entes queridos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dezenas de mortos em Gaza: ataques aéreos israelitas atingem mesquita e abrigo da ONU

Guterres diz que rejeição israelita da solução dos dois Estados é "inaceitável"

21 soldados israelitas morrem no ataque mais mortífero desde que começou a guerra contra o Hamas