Netanyahu rejeita proposta de trégua e Hamas já respondeu: reféns "sem hipótese" de voltar

Familiares de reféns israelitas protestam junto à residência de Benjamin Netanyahu
Familiares de reféns israelitas protestam junto à residência de Benjamin Netanyahu Direitos de autor Ohad Zwigenberg/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro israelita voltou a recusar chegar a acordo com o Hamas nos termos exigidos pelos militantes. O grupo palestiniano, por seu lado, diz que sem a cedência de Telavive os reféns israelitas não têm hipótese de regressar.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro israelita recusou uma proposta de trégua do Hamas, garantindo que os termos propostos pelo grupo de militantes palestiniano seriam um "ferimento mortal" para a segurança de Israel.

Segundo Netanyahu, o Hamas exigia o fim da guerra, a retirada das forças israelitas de Gaza, "a libertação de todos os assassinos e violadores da Nukhba [unidade do Hamas] e deixar o Hamas intacto. Se concordarmos com isto, os nossos guerreiros caíram em vão. Se concordarmos com isto, não seremos capazes de garantir a segurança dos nossos cidadãos, não seremos capazes de fazer regressar os deslocados às suas casas e o próximo 7 de outubro será apenas uma questão de tempo", defendeu o primeiro-ministro israelita.

Netanyahu, que na semana passada rejeitou, junto do presidente dos Estados Unidos da América e dos aliados europeus, a solução dos dois estados para um eventual cenário pós-guerra, para desagrado de muitos, não tem escapado à contestação interna: os familiares dos reféns israelitas retidos na Faixa de Gaza têm pressionado o governo para que faça mais para trazer de volta aqueles que foram capturados, mesmo que isso signifique chegar a um acordo de tréguas com o Hamas.

Na noite de domingo, famílias e amigos dos reféns iniciaram um protesto junto à residência privada de Netanyahu em Jerusalém e garantem que vão mantê-lo até que o primeiro-ministro "chegue a um acordo para libertar os reféns".

Em comunicado, os organizadores do protesto pediram ainda que Netanyahu diga claramente que "não vai abandonar civis, soldados e outros raptados no desastre de outubro".

Da parte do Hamas, houve entretanto resposta às declarações de Netanyahu: Sami Abu Zuhri, alto responsável do grupo palestiniano, disse às agências internacionais que a recusa do primeiro-ministro israelita das condições apresentadas significa que "não há hipótese do regresso a casa dos reféns", que se estima serem cerca de 130 nesta altura.

Apesar das posições extremadas das duas partes, a diplomacia internacional não abandona esforços para tentar chegar a algum tipo de acordo: segundo o Wall Street Journal, os Estados Unidos, Egito e Qatar vão tentar lançar novas negociações esta semana, que devem começar com mais um esforço para a libertação de reféns e, evnetualmente, levarem a uma retirada das forças israelitas.

No domingo, Israel voltou a realizar um ataque aéreo contra posições do Hezbollah no Líbano. Segundo a AP, matou um dirigente do grupo libanês mas deixou feridos vários civis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA destroem mísseis houthis preparados para atacar navios no Mar Vermelho

Alegado ataque aéreo israelita a Damasco mata comandante iraniano

Israel enviará delegação ao Qatar para conversações de paz. População exige libertação de reféns