Homem absolvido depois de 33 anos preso

Erro judicial em Itália
Erro judicial em Itália Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Para os ativistas dos direitos humanos, este é o maior erro judicial da história de Itália.

PUBLICIDADE

No sábado, o Tribunal de Recurso de Roma absolveu um homem que teve de passar quase 33 anos na prisão.

Beniamino Zuncheddu, um pastor da Sardenha, tinha 26 anos em janeiro de 1991, quando ocorreu um triplo homicídio em Sinai, uma comuna perto de Cagliari. Beniamino foi detido e uma testemunha - a quarta vítima que sobreviveu ao ataque - apontou para ele. Com base neste testemunho, Zuncheddu foi condenado a prisão perpétua em junho de 1992, apesar de ter afirmado repetidamente a sua inocência.

O caso não foi resolvido antes de 2017, quando um novo advogado começou a investigar os documentos. Descobriu uma enorme quantidade de factos que não batiam certo, e foi o suficiente para iniciar um novo julgamento em 2020. 

O ponto de viragem aconteceu quando a testemunha - a mesma que incriminou Zuncheddu - admitiu que nunca viu o rosto do agressor porque estava tapado e revelou agente da polícia lhe mostrou a fotografia de Zuncheddu e insistiu que ele era o assassino. "Cometi um erro ao ouvir a pessoa errada", disse a testemunha. 

A acusação, baseada quase exclusivamente na identificação do "suspeito", caiu por terra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo italiano vai introduzir novas regras para reduzir acidentes de trabalho

Família italiana libertada após quase dois anos em cativeiro no Mali

Alessandra Mussolini foi insultada e agredida em Estrasburgo