Ataques israelitas fazem 50 mortos em Gaza, Blinken reúne-se com príncipe saudita

Antony Blinken aterrou na segunda-feira na Arábia Saudita
Antony Blinken aterrou na segunda-feira na Arábia Saudita Direitos de autor Mark Schiefelbein/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma nova vaga de ataques israelitas durante o fim de semana fez meia centena de mortos em Rafah e Deir Al-Balah. Blinken está na Arábia Saudita em mais uma digressão diplomática pelo Médio Oriente, tendo em vista conversações para uma pausa humanitária.

PUBLICIDADE

Pelo menos 20 pessoas terão morrido nos ataques israelitas que no fim de semana atingiram Rafah, cidade no sul da Faixa de Gaza. Outras 30 pessoas morreram em bombardeamentos em Deir Al-Balah, na região centro do território.

Segundo as autoridades locais, entre as vítimas mortais estão mulheres e crianças.

As equipas de resgate continuam a procura por sobreviventes sob os escombros dos edifícios atingidos, mas é uma corrida contra o tempo.

O Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, divulgou um novo balanço do número de baixas na Faixa de Gaza. Desde 7 de outubro, os ataques israelitas já fizeram pelo menos 27.478 mortos e 66.835 feridos.

Blinken em novo périplo pelo Médio Oriente

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, deslocou-se até à Arábia Saudita esta segunda-feira, para se reunir com o príncipe Mohammed bin Salman e com o seu homólogo, o ministro dos Negócios Estrangeiros saudita Faisal bin Farhan Al Saud.

Esta é a quinta visita de Blinken ao Médio Oriente desde o início da guerra entre Israel e o Hamas.

O secretário de Estado tem ainda programadas para esta semana visitas diplomáticas ao Egito, Qatar, Israel e à Cijordânia ocupada, tendo em vista conversações no sentido de um acordo que garanta a libertação de todos os reféns e uma pausa humanitária.

MNE francês rejeita a "deslocação forçada" da população de Gaza para o Egito

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Stéphane Séjourné, que também está de visita a Israel no âmbito de uma digressão pelo Médio Oriente, rejeitou esta segunda-feira a "deslocação forçada" da população de Gaza para o Egito.

O chefe da diplomacia francesa, que se reuniu com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, apelou a um cessar-fogo imediato, condenando os ataques contra o povo palestiniano.

Já na reunião com o homólogo israelita, Israel Katz, foi ainda abordado o futuro da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNRWA).

A França anunciou o congelamento do financiamento da UNRWA durante seis meses, enquanto se aguarda a confirmação das acusações contra a agência. Israel acusa funcionários da organização de envolvimento nos ataques do Hamas de 7 de outubro.

Katz e Séjourné terá começado a trabalhar no sentido de encontrar alternativas para substituir a UNRWA na prestação de ajuda humanitária na Faixa de Gaza quando a guerra terminar. 

Bombardeada sede do Crescente Vermelho Palestiniano

O exército israelita bombardeou ainda a sede do Crescente Vermelho Palestiniano em Khan Younis, provocando um número ainda por determinar de mortos e de feridos. 

A organização confirmou que o ataque atingiu sobretudo um grupo de pessoas deslocadas que se encontravam no edifício. Os militares israelitas continuaram a abrir fogo contra o edifício, que alberga milhares de palestinianos deslocados, dificultando a transferência dos feridos para o Hospital al-Amal, também atacado na semana passada.

Em dezembro, os escritórios do Crescente Vermelho Palestiniano em Jabalia também foram atacados pelas forças israelitas, como parte da investida no norte da Faixa de Gaza. Imagens divulgadas esta segunda-feira mostram o cenário de destruição deixado pelos bombardeamentos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hamas sob pressão dos EUA para aceitar acordo de cessar-fogo

Protestos em Israel, enquanto se aguarda resposta do Hamas ao cessar-fogo

Israel aceita proposta de cessar-fogo e aguarda resposta do Hamas