Países Baixos: universidades tomam medidas para limitar número de estudantes estrangeiros

Universidade de Utrecht
Universidade de Utrecht Direitos de autor UNL
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Catorze universidades neerlandesas querem limitar o número de estrangeiros para favorecer estudantes nacionais.

PUBLICIDADE

Os Países Baixos são um destino muito popular para os estudantes estrangeiros. Em 2023, recebeu 122.000 alunos de várias nacionalidades, ao ponto de que na última década triplicou o número dos mesmos nas universidades, chegando a atingir uma quota de 15% entre os estudantes a frequentar o ensino superior no país.

Muitas das universidades neerlandesas concentram-se quase exclusivamente no mercado de trabalho internacional, ao que se junta o facto de quase um terço dos estrangeiros decidir viver e trabalhar nos Países Baixos depois de se graduar.

No entanto, segundo a Associação de Universidades dos Países Baixos (UNL, na sigla em neerlandês) tudo isto aparenta comprometer as possibilidades de jovens locais que querem prosseguir estudos universitários, com dificuldades em encontrar uma vaga na universidade ou um posto de trabalho, a posteriori.

"A internacionalização é muito importante para as universidades dos Países Baixos e para a sociedade, mas também causa estrangulamentos e fricção. Precisamente, para manter os benefícios da internacionalização, queremos trabalhar a fundo para resolver esses pontos de estrangulamento", declarou Jouke de Vries, presidente interino da UNL.

Razões económicas têm travado o plano

Há anos que esta questão está sobre a mesa política, mas nada foi feito. O problema é claramente económico, cada estudante estrangeiro contribui anualmente com dezenas de milhares de euros. A média é de cerca de 17.000 euros por aluno estrangeiro.

A Associação de Universidades dos Países Baixos (UNL) é composta por 14 associados que querem retomar apenas o neerlandês como língua do sistema educacional, entre as medidas apresentadas no seu manifesto.

De momento, trata-se de medidas que foram propostas e não ratificadas por todas as universidades, mas que pretendem uniformizar e implementar até 2025.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está por trás da viragem dos Países Baixos para a extrema-direita?

Países Baixos apostam na extrema-direita mas obrigam Wilders a fazer alianças

Cinco coisas que aprendemos com as eleições nos Países Baixos