Alemanha é agora a terceira maior economia do mundo

Oktober Fest Germany
Oktober Fest Germany Direitos de autor Matthias Schrader/AP
Direitos de autor Matthias Schrader/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O enfraquecimento do iene, moeda do Japão, foi um dos fatores decisivos para que a economia alemã superasse a japonesa.

PUBLICIDADE

A Alemanha ultrapassou o Japão e é agora a terceira economia a nível mundial, depois de o país asiático ter sofrido uma retração no último trimestre de 2023. O governo de Tóquio explicou que a economia recuou a um ritmo anual de 0,4% entre outubro e dezembro, embora tenha crescido 1,9% ao longo de todo o ano de 2023.  

No período entre julho e setembro, a atividade económica no Japão teve uma quebra de 2,9%. Dois trimestres seguidos de contração são considerados um indicador de recessão técnica. 

De qualquer modo, segundo os economistas, a relativa debilidade do Japão também é reflexo do declínio da população, bem como da produtividade e competitividade.

Até 2010, a economia japonesa foi a segunda mais forte do mundo antes de ser ultrapassada pela China. No ano passado, o PIB nominal japonês cresceu até aos 4.2 mil milhões de dólares, ao passo que o da Alemanha atingiu os 4.4. ou 4.5 mil milhões, dependendo da taxa de câmbio. Apesar de tudo, a própria Alemanha também enfrenta os seus desafios económicos, estando previsto que tenha apenas um crescimento ligeiro de 0,3% em 2024, abaixo dos 0,8% inicialmente previstos no outono.    

Quais as razões para o definhamento económico do Japão?

O Japão sempre foi considerado historicamente um "milagre económico", tendo-se reerguido das cinzas no rescaldo da Segunda Guerra Mundial para se tornar a segunda maior economia, abaixo dos Estados Unidos. Este ritmo foi mantido durante as décadas de 70 e 80 do século passado, mas nos últimos 30 anos a economia japonesa apresentou apenas um crescimento moderado, permanecendo estagnada desde que rebentou a sua bolha financeira em 1990. 

O Japão é um país insular com uma percentagem relativamente baixa de residentes estrangeiros. Enquanto a população japonesa tem vindo a diminuir e a envelhecer ao longo dos anos, a Alemanha deu um pulo enorme em termos demográficos e tem quase 85 milhões de habitantes, com o fluxo de imigrantes a compensar uma baixa taxa de natalidade.   

O fator que teve maior peso foi o enfraquecimento do iene japonês, uma vez que as comparações do PIB nominal são feitas em dólares.

Na terça-feira à noite, as autoridades japonesas tentaram sair em defesa do iene, mas os avisos foram até agora ineficazes.

O principal diplomata do Japão em matéria monetária, Masato Kanda, comunicou o seu descontentamento em relação aos rápidos movimentos do iene que, segundo ele, poderiam ter um efeito adverso na economia. Kanda chegou ao ponto de sugerir a intervenção cambial como uma solução potencial para o assunto ", disse Richard Snow, estratega de mercado do DailyFX. 

"As autoridades japonesas intervieram anteriormente no mercado de câmbio em setembro e outubro de 2022, quando venderam dólares e compraram ienes para fortalecer o valor da moeda local. É relatado que foram aplicados quase 20 mil milhões de dólares americanos num esforço para fortalecer o iene - o que acabou por acontecer. Foi a primeira intervenção em dólares e ienes em 24 anos e poderá voltar a acontecer em breve, caso Tóquio se canse de repetidos avisos", acrescentou o analista.

Entretanto, o Ministro das Finanças japonês, Shun'ichi Suzuki, reiterou a importância de as moedas terem um percurso estável e reflectirem os fundamentos económicos, e disse que está a seguir os movimentos cambiais com muita atenção.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Schengen militar": o que vai mudar o acordo assinado pela Polónia, Alemanha e Países Baixos?

Pessoal de terra da Lufthansa faz greve em cinco aeroportos da Alemanha

Alemanha testa semana de trabalho de 4 dias, face à escassez de mão-de-obra