Raide israelita em hospital faz vários mortos e feridos

O Hospital Nasser é um dos últimos ainda em atividade na Faixa de Gaza
O Hospital Nasser é um dos últimos ainda em atividade na Faixa de Gaza Direitos de autor Mohammed Dahman/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O exército israelita terá ainda feito várias detenções, acompanhadas de torturas e maus-tratos, segundo as testemunhas. Mais de 400 pessoas, incluindo doentes, tiveram de se deslocar para um edifício que não está preparado para tratamentos.

PUBLICIDADE

Um raide israelita no Hospital Nasser em Khan Younis, na Faixa de Gaza, causou um número ainda indeterminado de mortos e feridos, segundo os funcionários do hospital. O exército israelita diz ter encontrado vários membros do Hamas durante a operação. Segundo os relatos, os militares israelitas entraram no hospital e obrigaram cerca de 460 pessoas, incluindo doentes, médicos e outro pessoal do hospital a deslocar-se para outro edifício, que não está preparado para tratar doentes. Terão ainda feito várias detenções, por vezes acompanhadas de torturas e maus-tratos.

Raed Abed, ferido deslocado do Hospital Nasser, conta o que viu: "Deixavam passar as pessoas em grupos de cinco. Levavam aqueles que queriam. Ficámos lá durante muito tempo, das três às seis horas, e eu estava de pé, sem conseguir levantar-me ou andar. Quando queriam levar alguém, tiravam-lhes as roupas, batiam-lhes e torturavam-nos."

Deixavam passar as pessoas em grupos de cinco. Levavam aqueles que queriam. (...) Quando queriam levar alguém, tiravam-lhes as roupas, batiam-lhes e torturavam-nos.
Raed Abed
Testemunha do raide no Hospital Nasser

O Hospital Nasser, a maior instalação médica ainda em funcionamento na Faixa de Gaza, esteve bloqueado pelo exército israelita durante vários dias, limitando a entrada de alimentos e medicamentos, alegadamente para impedir o acesso dos palestinianos feridos. Na véspera do ataque, Israel ordenou a evacuação dos civis "devido à ameaça do Hamas". Khan Younis continua a ser um dos principais objectivos israelitas, enquanto se prepara uma potencial operação terrestre em Rafah.

O porta-voz das Forças de Defesa de Israel, Daniel Hagari, justifica o ataque ao hospital e culpa o Hamas: "Se não fosse o Hamas a começar esta guerra, a tomar os nossos reféns e a esconder-se no hospital, não precisaríamos de estar no hospital. O Hamas começou esta guerra. Israel vai acabar com esta guerra", diz.

O Washington Post publicou imagens de satélite do que se diz serem "trabalhos de limpeza e construção" no Egito, junto à passagem de Rafah. Alegadamente, trata-se do local de um campo de refugiados, preparado para um êxodo de palestinianos em caso de uma operação terrestre israelita em Rafah. O Egito não confirma esta informação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças especiais israelitas invadem hospital Nasser em Gaza em operação "precisa e limitada"

ONU preocupada com distribuição de água em Gaza

Ataque aéreo israelita no norte de Gaza mata os três filhos do líder do Hamas