Ataques israelitas matam 13 pessoas em Rafah. Palestinianos começam a fugir da zona

Palestinianos observam a destruição após um ataque israelita a um edifício residencial em Rafah, na Faixa de Gaza, a 16 de fevereiro de 2024.
Palestinianos observam a destruição após um ataque israelita a um edifício residencial em Rafah, na Faixa de Gaza, a 16 de fevereiro de 2024. Direitos de autor AP Photo/Hatem Ali
Direitos de autor AP Photo/Hatem Ali
De  Euronews, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Estima-se que 1,4 milhões de palestinianos, mais de metade da população de Gaza, se tenham amontoado na cidade de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza.

PUBLICIDADE

Dois ataques aéreos israelitas em Rafah durante a noite mataram pelo menos 13 pessoas, incluindo nove membros da mesma família, de acordo com funcionários do hospital e familiares.

O número de palestinianos mortos durante a guerra em Gaza ultrapassou as 28.000 pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, dirigido pelo Hamas. Um quarto dos habitantes de Gaza está a passar fome. Cerca de 1.200 pessoas, na sua maioria civis, foram mortas e cerca de 250 raptadas no ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro, que desencadeou a guerra.

Os ataques noturnos ocorreram depois de o presidente dos EUA, Joe Biden, ter advertido mais uma vez o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, contra a possibilidade de avançar com uma operação militar na cidade mais a sul de Gaza sem um "plano credível e exequível" para proteger os cerca de 1,4 milhões de palestinianos que aí se abrigam.

No entanto, o ministro da Defesa de Israel disse que o país está a "planear minuciosamente" a prometida invasão terrestre de Rafah, e Netanyahu prometeu na sexta-feira rejeitar "ditames internacionais" sobre uma resolução a longo prazo do conflito entre Israel e os palestinianos.

Palestinianos em fuga de Rafah

Israel identificou Rafah como o último reduto do Hamas em Gaza e prometeu continuar a sua ofensiva nessa zona. Calcula-se que 1,4 milhões de palestinianos, mais de metade da população de Gaza, se tenham amontoado na cidade, na sua maioria pessoas deslocadas que fugiram dos combates noutras zonas de Gaza.

Israel disse que evacuaria os civis antes de atacar, embora os funcionários da ajuda internacional tenham dito que não há para onde ir devido à vasta devastação deixada pela ofensiva.

Segundo os funcionários humanitários da ONU, os palestinianos já estão a sair dessa zona devido à intensificação dos ataques israelitas e a dirigir-se para as zonas centrais em torno de Deir al-Balah

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, falou aos jornalistas na sexta-feira sobre os movimentos relatados em direção a Deir al-Balah, que fica a cerca de 16 quilómetros a norte de Rafah. O porta-voz descreveu também a falta de alimentos em Rafah e noutros locais - especialmente no norte de Gaza, o primeiro alvo da ofensiva, onde grandes áreas foram completamente destruídas.

"Em Rafah, as condições humanitárias tornaram-se cada vez mais graves, com relatos contínuos de pessoas que impedem os camiões de ajuda de levar alimentos", disse. "Os segmentos vulneráveis da população, incluindo as crianças, os idosos e as pessoas com problemas de saúde subjacentes, são particularmente susceptíveis ao risco de desnutrição."

Em toda a Faixa de Gaza, Dujarric afirmou que a entrega de ajuda é dificultada pelos frequentes encerramentos de fronteiras, pelas restrições de longa data à importação de mercadorias para Gaza, pelos danos causados às infra-estruturas críticas e pela situação de segurança.

Tribunal Internacional da ONU rejeita pedido de medidas contra a ofensiva de Rafah

Entretanto, o Tribunal Internacional de Justiça rejeitou na sexta-feira um "pedido urgente" da África do Sul para impor medidas urgentes para salvaguardar Rafah. O Tribunal sublinhou, no entanto, que Israel deve respeitar as medidas impostas no final do mês passado, numa fase preliminar de um processo de genocídio histórico.

O tribunal das Nações Unidas afirmou em comunicado que a "situação perigosa" em Rafah "exige a aplicação imediata e efetiva das medidas provisórias" que ordenou em 26 de janeiro.

Não é necessária uma nova ordem porque as medidas existentes "são aplicáveis em toda a Faixa de Gaza, incluindo em Rafah".

Israel "continua obrigado a cumprir integralmente as obrigações que lhe incumbem por força da Convenção sobre o Genocídio" e da decisão de 26 de janeiro, que ordenou a Israel que fizesse tudo o que estivesse ao seu alcance para impedir a morte, a destruição e quaisquer actos de genocídio em Gaza.

Citando o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, o tribunal observou que "os desenvolvimentos mais recentes na Faixa de Gaza, e em Rafah em particular, 'aumentariam exponencialmente o que já é um pesadelo humanitário com consequências regionais incalculáveis'".

No início da semana, Israel tinha instado o tribunal a rejeitar o que chamou de pedido "altamente peculiar e impróprio" da África do Sul e não comentou imediatamente a decisão de sexta-feira, uma vez que caiu no Sabbath judaico, quando os escritórios do governo estão fechados.

Israel nega veementemente ter cometido genocídio em Gaza e afirma que faz tudo o que pode para poupar os civis e que tem apenas como alvo os militantes do Hamas. A tática do Hamas de se instalar em zonas civis torna difícil evitar vítimas civis.

As medidas provisórias ordenadas no mês passado surgiram numa fase preliminar de um processo instaurado pela África do Sul que acusa Israel de violar a Convenção sobre o Genocídio.

PUBLICIDADE

O tribunal apelou também ao Hamas para que liberte os reféns que ainda se encontram em cativeiro. O Hamas exortou a comunidade internacional a obrigar Israel a cumprir as ordens do tribunal.

A campanha legal da África do Sul está enraizada em questões centrais da sua identidade: O partido no poder, o Congresso Nacional Africano, há muito que compara as políticas de Israel em Gaza e na Cisjordânia com a sua própria história, sob o regime do apartheid, de domínio da minoria branca, que restringia a maioria dos negros a "terras natais". O apartheid terminou em 1994.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel lança ataque contra Damasco e faz dois mortos

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão

África do Sul levanta ação por genocídio contra Israel. O que esperar do Tribunal de Haia?