Trump compara problemas legais à perseguição feita ao opositor russo Alexei Navalny

O ex-Presidente Donald Trump, candidato presidencial republicano, cumprimenta as pessoas após uma reunião do canal Fox News na terça-feira, 20 de fevereiro de 2024.
O ex-Presidente Donald Trump, candidato presidencial republicano, cumprimenta as pessoas após uma reunião do canal Fox News na terça-feira, 20 de fevereiro de 2024. Direitos de autor Chris Carlson/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Chamando a Navalny "um homem muito corajoso", o candidato republicano comparou as acusações criminais contra si próprio com o que aconteceu ao último rival de Putin.

PUBLICIDADE

Donald Trump comparou os seus problemas legais à perseguição de Alexei Navalny, que morreu numa prisão remota do Ártico na semana passada.

Em declarações à Fox News, o antigo presidente dos EUA considerou a prisão e a morte do dissidente russo uma "situação muito triste", sugerindo que ele, provavelmente, não deveria ter regressado à Rússia.

No entanto, Trump não atribuiu qualquer culpa pela morte de Navalny. O presidente dos EUA, Joe Biden, e outros líderes ocidentais apontaram para Vladimir Putin.

Na entrevista de uma hora, Trump afirmou que a recente multa de 355 milhões de dólares que lhe foi aplicada num julgamento de fraude em Nova Iorque era uma "forma de Navalny".

"É uma forma de comunismo, de fascismo", acrescentou.

Há muito tempo acusando o presidente russo e seu círculo íntimo de corrupção e opulência, Navalny passou a maior parte de seus últimos anos na prisão por acusações que seus apoiadores dizem ter motivação política. Foi preso em 2021, depois de regressar da Alemanha, onde tinha estado a recuperar de um envenenamento por um agente nervoso.

Women lay flowers at the Memorial to Victims of Political Repression to pay respect to Alexei Navalny in St. Petersburg, Russia, Tuesday, Feb. 20, 2024.
Women lay flowers at the Memorial to Victims of Political Repression to pay respect to Alexei Navalny in St. Petersburg, Russia, Tuesday, Feb. 20, 2024.Dmitri Lovetsky/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

Trump - que pode voltar a ser o próximo presidente dos EUA - chamou Navalny de "tipo muito corajoso".

"Ele voltou, poderia ter ficado longe e, francamente, provavelmente teria sido muito melhor ficar longe e falar de fora do país. É uma coisa horrível, mas também está a acontecer no nosso país. Estamos a transformar-nos num país comunista em muitos aspetos. Tenho oito ou nove processos, tudo por causa do facto de ... estou na política".

Trump não mencionou Putin, apesar das repetidas solicitações da entrevistadora da Fox News, Laura Ingraham.

Isto faz parte da sua recusa de longa data em criticar - ou muitas vezes elogiar - o número um da Rússia, que remonta aos seus dias na Casa Branca.

O Kremlin negou o envolvimento na morte de Navalny e disse que as alegações ocidentais de que Putin era responsável são inaceitáveis.

Durante a entrevista, Trump foi questionado sobre a possibilidade de se tornar um "potencial prisioneiro político" como Navalny.

"Se eu estivesse a perder nas sondagens, nem sequer estariam a falar de mim e eu não teria tido quaisquer despesas legais", respondeu.

"Se eu saísse, acho que - apesar de eles me odiarem tanto, acho que se eu saísse eles continuariam, 'vamos perseguir esse tipo, não conseguimos suportar esse tipo'".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump vence primárias na Carolina do Sul. Nikki Haley promete manter-se na corrida

Donald Trump vence as primárias de New Hampshire

Regresso de Donald Trump pode deixar a Europa "sozinha", alerta De Croo