Putin rearma exército, enquanto escasseia ajuda humanitária da ONU para a Ucrânia

Volodymyr Zelenskyy, à esquerda, aperta a mão a um soldado durante a sua visita à cidade de Kupiansk, na região de Kharkiv, na Ucrânia, a 19 de fevereiro de 2024.
Volodymyr Zelenskyy, à esquerda, aperta a mão a um soldado durante a sua visita à cidade de Kupiansk, na região de Kharkiv, na Ucrânia, a 19 de fevereiro de 2024. Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Enquanto Putin rearma o seu exército, o apelo anual da ONU para a Ucrânia está apenas nos 10% do seu financiamento. Valor total é de 3,1 mil milhões de dólares.

Vladimir Putin visitou uma instalação militar em Kazan e inspecionou o novo bombardeiro Tupolev Tu-160. Os analistas prevêem que um terço das despesas públicas deste ano será destinado exclusivamente ao exército russo.

PUBLICIDADE

Dois anos depois da chamada "operação especial" na Ucrânia, o presidente russo Vladimir Putin visitou uma fábrica de aviões em Kazán. O foco de Putin é reequipar as suas forças armadas.

Exército da Ucrânia precisa de munições, artilharia e granadas

AP
APAP Photo

A ofensiva russa descreve-se como implacável, com contínuos bombardeamentos e uma importante vantagem em artilharia. Na Ucrânia, a 13ª Brigada da Guarda Nacional está na linha da frente em Lugansk. A brigada ucraniana necessita urgentemente de material, incluindo medicamentos, equipamento, munições e granadas de artilharia. A Ucrânia continua à espera do muito necessário pacote de ajuda dos EUA, que se encontra actualmente num impasse no Congresso.

Apelo humanitário para a Ucrânia reuniu apenas 10% de financiamento

O apelo humanitário das Nações Unidas para satisfazer as necessidades da Ucrânia está financiado em apenas 10% para 2024, disse a coordenadora residente do país na quarta-feira, pondo em risco a assistência crucial necessária para chegar aos necessitados na linha da frente.

Denise Brown, a principal representante da ONU na Ucrânia, afirmou que cerca de 8,5 milhões de ucranianos que vivem em condições precárias perto de zonas de combate correm o risco de ficar sem ajuda humanitária básica, incluindo alimentos e água. O apelo anual da ONU para a Ucrânia é de 3,1 mil milhões de dólares.

"Se não recebermos esse dinheiro, não sei de onde ele virá", disse Brown em entrevista à Associated Press. Sem os fundos, "não seremos capazes de manter o elevado número de colegas que temos aqui e que estão absolutamente dedicados ao apoio humanitário".

Enquanto o futuro da ajuda militar à Ucrânia está em suspenso, Brown está a pressionar a comunidade internacional e o setor privado para que se lembrem de que as necessidades humanitárias também são elevadas.

A economia ucraniana ainda está a sofrer as consequências da invasão total da Rússia há dois anos, as famílias estão separadas pela guerra e milhões de ucranianos que vivem perto das zonas da linha da frente têm pouco acesso a alimentos e não conseguem satisfazer as necessidades básicas.

"Ainda há muito para apoiar", afirma Brown

As entregas de ajuda das Nações Unidas a essas zonas da linha da frente, onde a eletricidade e a água corrente são escassas, consistem frequentemente em fornecimentos básicos, disse Brown. As equipas da ONU, juntamente com organizações parceiras, fazem entregas em zonas em conflito em Kherson, Zaporizhzhia, Donetsk e Kharkiv.

Em 2023, as entregas visavam 11 milhões de pessoas.

As necessidades incluem água e kits de higiene, que incluem pasta de dentes, papel higiénico e pensos higiénicos. "Muitas vezes, são coisas como fraldas para adultos, porque as pessoas idosas nessas comunidades não têm mobilidade", disse Brown. "Tão básico, mas crucial."

A intensificação das batalhas dificulta o acesso da ONU ou limita os prazos de entrega. Áreas da linha da frente como Chasiv Yar, na região de Donetsk, por exemplo, estiveram inacessíveis durante vários meses.

"Por isso, estamos sempre à espera que os últimos abastecimentos que foram entregues sejam suficientes para transportar as pessoas", acrescentou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Ucrânia: Kiev derruba um A-50, Moscovo ataca Odessa

Supremo Tribunal da Rússia rejeita candidatura de Boris Nadezhdin à presidência do país

UE chegou a acordo sobre 13.º pacote de sanções contra a Rússia