Dani Alves considerado culpado de violação de uma mulher numa discoteca em Espanha

A estrela do futebol brasileiro Dani Alves senta-se durante o seu julgamento em Barcelona, Espanha, segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024.
A estrela do futebol brasileiro Dani Alves senta-se durante o seu julgamento em Barcelona, Espanha, segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024. Direitos de autor D.Zorrakino/Pool Photo via AP, File
Direitos de autor D.Zorrakino/Pool Photo via AP, File
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O antigo futebolista brasileiro de 40 anos negou qualquer infração durante o julgamento.

PUBLICIDADE

Dani Alves, antigo jogador de futebol do Barcelona e do Brasil, foi considerado culpado por um tribunal espanhol de ter violado uma mulher numa discoteca de Barcelona na madrugada de 31 de dezembro de 2022. Foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão.

Alves, de 40 anos, um dos futebolistas mais condecorados da história do desporto, negou qualquer irregularidade durante o julgamento. A decisão pode ser objeto de recurso.

O tribunal de Barcelona considerou que Alves atacou sexualmente a vítima numa discoteca de luxo de Barcelona, depois de a ter atraído para uma casa de banho na secção VIP do local. O Ministério Público tinha pedido uma pena de nove anos de prisão para Alves, enquanto os advogados que representavam a vítima pediam 12 anos.

Os advogados de defesa pediram a absolvição ou, em caso de condenação, uma pena de um ano e uma indemnização de 50.000 euros para a vítima.

Alves está na prisão desde que foi detido em 20 de janeiro de 2023. Os pedidos de fiança foram recusados porque o tribunal considerou que existia risco de fuga. O Brasil não extradita os seus próprios cidadãos quando estes são condenados noutros países.

A vítima, cuja identidade está a ser protegida e mantida no anonimato, disse aos procuradores que dançou com Alves e entrou de livre vontade na casa de banho da discoteca mas que, mais tarde, quando quis sair, ele não a deixou. Disse que ele lhe deu uma bofetada, insultou-a e obrigou-a a ter relações sexuais contra a sua vontade.

Alves começou por negar qualquer contacto sexual com a vítima antes de admitir relações sexuais que disse serem consensuais. Disse que estava a tentar salvar o seu casamento ao não admitir inicialmente o encontro.

O tribunal considerou que a mulher não tinha consentido, afirmando que havia outras provas para além do testemunho da vítima que provavam que tinha sido violada.

Durante o julgamento, a defesa centrou-se na tentativa de demonstrar que Alves estava embriagado quando se encontrou com a mulher.

O caso Alves foi o primeiro crime sexual de grande repercussão desde que a Espanha reformulou a sua legislação em 2022, para tornar o consentimento, ou a falta dele, central na definição de um crime sexual. 

Foi a resposta a uma onda de protestos após um caso de violação coletiva durante o festival de corrida de touros de San Fermin em Pamplona, em 2016.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE adota lei sobre violência contra as mulheres, sem incluir violação

Porque é que o plano da UE para criminalizar o sexo não consensual está em apuros?

Os crimes sexuais cometidos por menores em Espanha e Itália estão a aumentar, mas porquê?