Polónia quer acelerar reforço da segurança na fronteira com a Bielorrússia

Euronews
Euronews Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Polónia quer acelerar o reforço da segurança na fronteira com a Bielorrússia para antecipar uma eventual ameaça da Rússia.

PUBLICIDADE

O reforço da segurança na fronteira com a Bielorússia é um dos projetos que o novo governo polaco liderado por de Donald Tusk quer realizar em breve, em coordenação com os países bálticos e a Finlândia.

"Vamos ter um sistema de controlo perimetral e propor um sistema de câmaras rotativas para monitorizar os movimentos dos migrantes. Teremos em conta as experiências dos guardas de fronteira e de outros serviços, como temos feito nos últimos dois anos. Vamos cooperar com os serviços dos países da aliança", afirmou à euronews Andrzej Szejna, vice-ministro do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Polónia.

É preciso estar atento às "intenções da Rússia"

A Estónia, membro da NATO, que faz fronteira com a Rússia, avisa que os países não devem desvalorizar as ameaças e possíveis e intenções da Rússia.

"O relatório dos serviços secretos estónios sobre a forma como a Rússia irá provavelmente reconstituir a sua capacidade militar dentro de 3 a 4 anos é um fator importante. Mas o futuro depende também de nós. Devemos ser capazes de ajudar a Ucrânia para que o país vença a guerra de modo a mudar os planos da Rússia. A Estónia, a Letónia, a Lituânia e a Polónia estão a assumir um papel de liderança. Temos de inspirar os outros países, para que se movam com a velocidade adequada à situação", disse à euronews  Miko Haljas, Embaixador da Estónia na Polónia.

Peritos dizem que Rússia vai tentar criar destabilização nas fronteiras da Europa de Leste

Os peritos indicam que a Rússia vai tentar criar destabilização nas fronteiras orientais, nomeadamente através de ações de desinformação.

"A Rússia vai continuar a levar a cabo atividades de desestabilização contra os países da NATO e a parte oriental da NATO. Moscovo continua a repetir que a Polónia tem ambições imperiais e deseja ocupar, por exemplo, parte da Ucrânia ou parte da Bielorrússia. O objetivo deste discurso de Moscovo é convencer a opinião pública na Rússia e na Bielorrússia de que é preciso ter um exército maior.", disse à euronews Agnieszka Legucka, especialista em política russa do Instituto Polaco de Assuntos Internacionais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Voo cancelado? Os direitos dos consumidores da UE e do Reino Unido

Parlamento Europeu e Estados-Membros chegam a acordo sobre poluição atmosférica

Milhares de polacos marcharam contra o aborto em Varsóvia