Porque é que o incêndio de Valência devorou 138 casas numa hora?

Bombeiros a trabalhar para extinguir o incêndio
Bombeiros a trabalhar para extinguir o incêndio Direitos de autor Alberto Saiz/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Roberto Macedonio Vega
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em espanhol

A Euronews falou com vários especialistas e peritos para tentar determinar o que aconteceu exatamente para que o fogo alastrasse pelas 138 casas no período de uma hora, deixando pelo menos 10 mortos e 14 desaparecidos.

PUBLICIDADE

Os investigadores estão a tentar determinar a causa do incêndio em dois blocos de apartamentos em Valência, que matou nove pessoas.

Para já, não está excluída nenhuma hipótese e a origem das chamas pode ter sido "uma faísca na cozinha, um cigarro ou uma vela não apagada", explicou à Euronews Rafael Sarasola, um dos coordenadores da Associação Espanhola de Sociedades de Proteção contra Incêndios, 'Tecnifuego'.

Como é que as chamas se propagaram tão rapidamente?

O que é significativo neste caso não é tanto o quê, mas o como. Mais do que as preocupações sobre o que causou as chamas, a verdadeira questão é saber como é que elas se propagaram tão rapidamente para engolir completamente o complexo de 14 andares.

"Temos de nos concentrar na origem do incêndio, mas sobretudo na forma como se propagou", disse Jerónimo Alonso, porta-voz do Conselho Geral de Arquitetura Técnica de Espanha, à Euronews.

Inicialmente, foi sugerido que o edifício poderia ter sido coberto com poliuretano, um material inflamável. No entanto, em comunicado, a instituição diz que ainda não foi confirmado que este elemento foi utilizado.

Jerónimo Alonso tem sido perito em acontecimentos muito semelhantes. Com base na sua experiência, garante à Euronews que a propagação do fogo ao longo da fachada "foi tão rápida devido ao sistema de isolamento térmico exterior do edifício".

A câmara ventilada das paredes provocou um "efeito chaminé".

As paredes do bloco "tinham uma câmara ventilada" para as isolar termicamente e isso provocou um "efeito chaminé", diz-nos Jerónimo. Um incêndio desta dimensão poderia ter sido evitado "se tivesse sido instalado um sistema corta-fogo", acrescenta Rafael Sarasola. Nesse caso, o incêndio "teria ficado confinado a uma única área específica".

"A regulamentação atual já obriga a que a cada certa distância haja um corta-fogo, evitando assim o chamado 'efeito chaminé'", acrescenta Jerónimo. Esta é a norma incluída no Código Técnico da Edificação, aprovado em 2008. Este edifício foi construído antes dessa data.

Os materiais que revestem os edifícios são importantes não só pela sua maior ou menor capacidade de propagação do fogo, mas também pelos gases que emitem durante o processo de combustão.

Segundo o porta-voz do Conselho Geral de Arquitetura Técnica de Espanha, o revestimento da fachada "favoreceu a emissão de gases tóxicos". O próprio promotor do edifício vangloriou-se, na altura, de que o revestimento era feito de 'alucobond', um material que "é normalmente à prova de fogo", diz.

No entanto, Jerónimo, que participou na investigação de outros incêndios em blocos de apartamentos, diz que o importante é que, neste caso, "houve tempo para retirar 200 famílias".

Não há praticamente hipóteses de encontrar os desaparecidos com vida.

A preocupação agora é com os desaparecidos.  Os especialistas dizem que não há praticamente nenhuma hipótese de os encontrar com vida. Nestes casos, "inalam o fumo, morrem e depois ficam carbonizadas", diz Jerónimo Alonso.

Mesmo assim, os bombeiros estão a procurar incansavelmente. Já conseguiram aceder ao bloco ardido, porque a possibilidade de este ruir não está em cima da mesa, embora não esteja excluída a hipótese de ter de ser demolido.

Como é que as equipas de salvamento estão a utilizar os drones?

Estão a utilizar drones para os ajudar nos trabalhos de salvamento. Estas ferramentas são essenciais em casos como este. Jordi Charles, diretor de desenvolvimento técnico da Target Tecnología, afirma que "são muito eficazes".

"Melhoram a resposta dos serviços de emergência, porque são drones equipados com câmaras térmicas e sensores de imagem que permitem localizar pessoas desaparecidas em zonas de difícil acesso", disse à Euronews.

Os habitantes locais estão chocados com o que aconteceu e começaram a organizar-se para levar cobertores, alimentos e roupas para um centro de ajuda espontânea. As pessoas afetadas foram transferidas para hotéis.

Residentes nas imediações consternados após o incêndio
Residentes nas imediações consternados após o incêndioAlberto Saiz/Copyright 2024 The AP. All rights reserved

"A minha melhor amiga desapareceu, era como se fosse minha irmã, ia casar-se em março", disse nas redes sociais uma jovem afetada pela tragédia. Prevê-se que o número de mortos aumente nas próximas horas.

Este caso faz lembrar muito o incêndio da Torre Grenfell em Londres. O edifício ardeu em condições muito semelhantes em 2017. Setenta e duas pessoas morreram. Os investigadores veem uma série de semelhanças entre os dois eventos. 

PUBLICIDADE

Embora este tenha sido o maior incêndio da história de Valência, houve outros de maior magnitude em Espanha, como o da cidade madrilena de Móstoles, em 1992. Esse foi o incêndio mais trágico da história do país. Doze pessoas morreram.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia revê para nove número de mortos no incêndio em Valência

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

Londres: trágico incêndio na Torre Grenfell foi há um ano