Mais gás para a UE através do Corredor Meridional

Gasoduto
Gasoduto Direitos de autor @canva
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Parceria estratégica no domínio da energia entre o Azerbaijão e a União Europeia esteve em debate na capital azeri.

PUBLICIDADE

Na capital do Azerbaijão, realizaram-se as reuniões ministeriais do Corredor Meridional de Gás e do Conselho Consultivo para a Energia Verde. Em cima da mesa estiveram a exploração de objetivos comuns para garantir a segurança energética a longo prazo, a diversificação do aprovisionamento e a transição para as energias verdes e renováveis.

"Fazemo-lo não por falta de recursos tradicionais, mas porque queremos contribuir utilizando o financiamento, utilizando as receitas que obtemos das vendas de petróleo e gás para investir em energias renováveis e para criar um entendimento comum sobre a necessidade de o fazer", disse Ilham Aliyev, presidente do Azerbaijão.

A parceria estratégica no domínio da energia entre o Azerbaijão e a União Europeia, bem como as próximas etapas do funcionamento e do desenvolvimento do Corredor Meridional de Gás, também foram debatidas.

No ano passado, o Azerbaijão aumentou as suas exportações de gás em 9%, para 22 mil milhões de metros cúbicos. Atualmente, os seus principais compradores na Europa são a Itália, a Grécia, a Roménia, a Hungria e a Bulgária.

Segundo Kadri Simson, Comissária Europeia da Energia, "há muitos novos países parceiros que estão dispostos a receber volumes adicionais de gás natural, apesar de estarmos a abandonar os combustíveis fósseis. Mas isso leva algumas décadas. Agora queremos estabelecer também uma cooperação para o futuro", salientou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que 2024 tem reservado para o gás natural liquefeito e para a Europa

Importações de gás dos EUA vão aumentar devido às sanções contra a Rússia e às novas instalações

UE: Compra de gás GNL russo aumentou 40%, diz ONG