Política da UE. Importações de gás dos EUA vão aumentar devido às sanções contra a Rússia e às novas instalações

Sina Schuldt / DPA
Sina Schuldt / DPA Direitos de autor AP Photo
De  Marta Pacheco
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Antigo Comissário para a Energia elogia o papel crescente dos EUA como fornecedor de energia à UE.

PUBLICIDADE

As importações norte-americanas de gás natural liquefeito (GNL) para a UE deverão aumentar 50% ou mais até 2030, uma vez que o gás russo será brevemente objeto de sanções ocidentais e as novas infra-estruturas darão aos fornecimentos dos EUA uma vantagem sobre outras regiões, de acordo com um antigo Comissário Europeu para a Energia.

O ex-comissário Andris Piebalgs, que exerceu funções durante dez anos, até 2014, e que atualmente aconselha o Presidente da Letónia, afirmou que o gás da UE é atualmente importado cerca de metade através de gasodutos e metade através de GNL. Os EUA representam atualmente pouco mais de 20% do total das importações de gás para a UE e cerca de 45% do GNL.

"Espero que a quota-parte dos EUA nas importações de gás natural para a UE cresça entre 20% e 30%, pelo menos, e mais de 50% até 2030", disse Piebalgs, acrescentando que alguns modelos sugerem que poderá mesmo duplicar para 40% das importações da UE, "mas isso depende muito da evolução da procura de gás natural".

A Rússia é um dos principais fornecedores de gás natural na UE, mas a sua quota-parte no total das importações de gás natural por gasoduto e GNL continua a ser superior a 10% das importações da UE, o que é afetado pelas sanções da UE.

Piebalgs afirmou ainda que, a partir de 2026, os EUA terão um número substancial de novas instalações de liquefação a entrar em funcionamento, aumentando a capacidade dos EUA para servir o mercado de GNL.

O Comissário Piebalgs afirmou que a Argélia não tem reservas para aumentar substancialmente a produção, enquanto o Qatar está "fortemente ligado aos mercados asiáticos", embora o Azerbaijão, que atualmente fornece 4% de todas as importações da UE, possa aumentar a produção.

"Acredito que os mercados da UE continuarão a ser atrativos para todos os potenciais fornecedores. Dado que a UE está a eliminar gradualmente os combustíveis fósseis, os contratos a longo prazo estão a tornar-se menos atrativos para os importadores e os fornecedores com maior flexibilidade terão vantagens", afirmou Piebalgs.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas garante redução das importações de gás natural russo

UE: Compra de gás GNL russo aumentou 40%, diz ONG

Saquetas de chá, comida para levar e cachorros-quentes associados a níveis elevados de "químicos eternos", revela estudo norte-americano