EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

UE: Compra de gás GNL russo aumentou 40%, diz ONG

A guerra de Vladimir Putin contra a Ucrânia é fundamentalmente sustentada pela venda internacional de combustíveis fósseis russos.
A guerra de Vladimir Putin contra a Ucrânia é fundamentalmente sustentada pela venda internacional de combustíveis fósseis russos. Direitos de autor Konstantin Zavrazhin/Sputnik
Direitos de autor Konstantin Zavrazhin/Sputnik
De  Jorge Liboreiro
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A União Europeia (UE) prometeu cortar drasticamente as importações de gás de Moscovo devido à invasão da Ucrânia, mas os dados mostram que as compras de gás natural liquefeito (GNL) de produção russa dispararam desde o início da guerra, segundo a ONG Global Witness.

PUBLICIDADE

De acordo com o estudo da Global Witness, uma organização não-governamental ambientalista, a UE comprou 21,6 milhões de metros cúbicos (mcm) de GNL russo entre janeiro e julho deste ano, um pequeno aumento em comparação com o mesmo período de 2022, quando as importações totalizaram 21,3 mcm.

Mas quando o valor de 2023 é comparado com o o mesmo período em 2021, antes da invasão russa da Ucrânia, esse aumento representa 39,5%. É um valor que pode ser controverso politicamente, face à posição de apoio total à Ucrânia e dcecisão de aprovar sanções contra a Rússia, incluindo na aquisição de combustíveis.

Para tornar as coisas mais incómodas, três Estados-membros encontram-se entre os cinco principais clientes do GNL russo, nos primeiros sete meses do ano:

  • China - 8,7 milhões m3
  • Espanha - 7,5 milhões m3
  • Bélgica - 7,1 milhões m3
  • Japão - 7 milhões m3
  • França - 4,5 milhões m3

Sendo países costeiros, estes membros da UE são destinos muito procurados pelos navios de transporte de GNL, que têm de descarregar em terminais sofisticados, onde o líquido arrefecido é transformado de novo para a forma gasosa e enviado para centrais elétricas.

Os Países Baixos, a Grécia, Portugal, a Finlândia, a Itália e a Suécia também foram referidos pela Global Witness como atuais consumidores de GNL russo. Os números baseiam-se em dados de transporte marítimo obtidos pela Kpler, uma empresa de análise.

No total, estima-se que a UE tenha comprado 52% de todas as exportações de GNL da Rússia entre janeiro e julho, uma quota de mercado que excede a marca dos 49% de 2022 e dos 39% de 2021.

As compras deste ano valeram 5,29 mil milhões de euros, disse a Global Witness, um montante que põe em causa os esforços do bloco para enfraquecer o cofre de guerra do Kremlin, que é fundamentalmente sustentado pelas vendas internacionais de combustíveis fósseis.

Grande dependência mantém-se?

Comprar gás russo tem o mesmo impacto que comprar petróleo russo. Ambos financiam a guerra na Ucrânia e cada euro significa mais derramamento de sangue. Enquanto os países europeus condenam a guerra, estão a colocar dinheiro nos bolsos de Putin.
Jonathan Noronha-Gant
Ativista, Global Witness

Desde o início da guerra, a UE proibiu as importações de carvão e de petróleo russo, mas poupou as de gás. Enquanto os fluxos de gás canalizado foram drasticamente reduzidos através de planos nacionais e da retaliação de Vladimir Putin, os tanques de GNL russo parecem ser muito bem recebidos nos portos europeus.

"Comprar gás russo tem o mesmo impacto que comprar petróleo russo. Ambos financiam a guerra na Ucrânia e cada euro significa mais derramamento de sangue. Enquanto os países europeus condenam a guerra, estão a colocar dinheiro nos bolsos de Putin", afirmou Jonathan Noronha-Gant, ativista sénior de combustíveis fósseis da Global Witness, num comunicado.

Os dados do Eurostat mostram um padrão semelhante: no primeiro trimestre de 2023, a Rússia era o segundo maior fornecedor de GNL da UE, apenas atrás dos Estados Unidos e à frente do Qatar, Argélia, Noruega e Nigéria.

Os dados de mercado analisados pelo Bruegel, um grupo de reflexão económica com sede em Bruxelas, não mostram uma variação considerável nos fluxos de GNL russo, apesar das múltiplas sanções e das provas crescentes de possíveis crimes de guerra cometidos na Ucrânia.

A UE comprou 1,99 milhões de metros cúbicos de GNL russo em março de 2022, o primeiro mês completo da invasão, e 1,59 milhões de metros cúbicos em julho de 2023, o último mês registado.

A Comissão Europeia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da euronews.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais gás para a UE através do Corredor Meridional

Naftogaz pede fim do gás russo na UE e ajuda para ser grande exportador

Josep Borrell prepara saída de cena com visitas aos países bálticos