EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bruxelas garante redução das importações de gás natural russo

Um navio-tanque de transporte de GNL está atracado num terminal de GNL no norte da Alemanha.
Um navio-tanque de transporte de GNL está atracado num terminal de GNL no norte da Alemanha. Direitos de autor Stefan Sauer/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Direitos de autor Stefan Sauer/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Mared Gwyn JonesIsabel Marques da Silva (Trad.)
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Compras de gás natural liquefeito (GNL) russo pela União Europeia aumentaram 40% em relação aos níveis anteriores à invasão da Ucrânia

PUBLICIDADE

"Embora os volumes de GNL tenham aumentado, trata-se ainda de um nível relativamente pequeno e de uma percentagem muito pequena das nossas importações globais de energia", disse, aos jornalistas, um porta-voz da Comissão Europeia.

A Europa está a "afastar-se do gás russo o mais rapidamente possível", acrescentou.

No primeiro semestre deste ano, menos de 15% das importações globais de gás da União Eurpeia (UE) provinham da Rússia, contra 45% em 2021.

Mas um relatório da organização não-governamental ambientalista Global Witness revelou, na quarta-feira, que a quantidade de gás GNL importado da Rússia para a UE, entre janeiro e julho deste ano, aumentou 39,5% em comparação com o mesmo período de 2021, antes do início da invasão russa na Ucrânia.

Outra metodologia para as contas

A Comissão Europeia apresentou números diferentes, na quinta-feira, com um porta-voz a confirmar que o estudo da Global Witness, que utiliza dados de transporte fornecidos pela empresa de análise de mercadorias Kpler, se baseia numa metodologia diferente.

De acordo com a Comissão Europeia, 10,8 mil milhões de metros cúbicos (bcm) de GNL russo chegaram à UE nos primeiros seis meses deste ano. Em 2022, foram importados 19,3 mil milhões de metros cúbicos, enquanto o valor para 2021 foi de 10,8 mil milhões de metros cúbicos.

Embora os números sugiram que este ano chegará à UE mais GNL proveniente da Rússia do que em 2021, a Comissão Europeia assegurou que o GNL representa uma parte muito pequena do cabaz energético da UE.

Três Estados-membros costeiros - Bélgica, Espanha e França - estão entre os cinco principais clientes mundiais de GNL da Rússia, mas os seus portos funcionam como uma porta de entrada para o abastecimento de todo o continente.

Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, a UE tem planeado diversificar o seu cabaz energético, investindo em energias renováveis e celebrando acordos de fornecimento com outros países. A UE reservou 300 mil milhões de euros em fundos para apoiar os Estados-membros.

Mas embora a UE tenha introduzido sanções contra certos produtos energéticos, incluindo o carvão e o petróleo, não existem sanções contra o GNL ou o gás russo.

A Comissão Europeia não confirmou se o bloco está a considerar a possibilidade de sancionar as importações de GNL para evitar que as compras aumentem ainda mais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que 2024 tem reservado para o gás natural liquefeito e para a Europa

UE: Descida de preço do gás vai levar ao fim dos subsídios à energia

A aposta Europeia no Gás Natural Liquefeito (GNL)