This content is not available in your region

A aposta Europeia no Gás Natural Liquefeito (GNL)

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Navio de transporte de gás natural
Navio de transporte de gás natural   -   Direitos de autor  AP/Copyright 2005 The Associated Press. All rights reserved

A UE está a apostar muito em Gás Natural Liquefeito (GNL) para substituir a energia russa.

Como parte de um plano ambicioso para reforçar a independência energética e privar o Kremlin das suas lucrativas vendas de combustível, o bloco está a bater recordes mensais de importações de GNL.

Um acordo recente com os Estados Unidos fornecerá mais 15 mil milhões de metros cúbicos (bcm) até ao final do ano, com o objetivo de atingir os 50 bcm anuais antes de 2030.

O que torna o GNL uma alternativa tão atrativa?

O GNL é um gás que é arrefecido até -162ºC para atingir um estado líquido. O volume de gás liquefeito é cerca de 600 vezes menor do que a sua forma gasosa.

O GNL é expedido por transportadores em grandes tanques criogénicos. Os transportadores levam os tanques a terminais especializados, onde o GNL é regaseificado e enviado para as residências, unidades industriais e centrais elétricas.

O processo é dispendioso, mas oferece mais flexibilidade do que gasodutos tradicionais. Também torna mais fácil abastecer regiões dependentes da importação, como a Europa e a Ásia.

Do lado negativo, a procura de GNL é extremamente elevada, com operadores a atingirem a capacidade máxima de produção e países ricos a competir por fornecimentos. Os preços têm aumentado constantemente nos últimos meses e espera-se que se mantenham elevados enquanto a perturbação causada pela guerra persistir.

Numa tentativa de evitar uma corrida entre Estados-membros, a Comissão Europeia propôs compras conjuntas de gás, aproveitando as lições aprendidas com a aquisição das vacinas COVID-19.

Outra desvantagem é que a atual rede de GNL está fortemente concentrada em estados costeiros ocidentais, deixando a Europa Central e Oriental, na sua maior parte, sem acesso à rede; uma situação que tende a perpetuar a dependência dos gasodutos russos nessas geografias.

O bloco quer aumentar a capacidade e diversificar os fornecedores para evitar novas dependências.

Existem acordos novos ou potenciais com o Qatar, Israel, Egito, Canadá, Nigéria, Senegal e Angola.

A sociedade civil tem criticado a grande aposta da UE no GNL uma vez que é um combustível fóssil poluente que contribui para as alterações climáticas.

As organizações ambientais argumentam que a estratégia contraria o espírito do Acordo Verde Europeu e os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris.

"O enfoque na troca de uma fonte de combustível sujo por outra, mantém a destruição ambiental e as violações dos direitos humanos, e irá bloquear o gás fóssil durante décadas", disse Silvia Pastorelli, uma ativista do clima no Greenpeace EU.

A CAN Europe - Climate Action Network - também crítica esta estratégia.