Alemanha atribuiu fuga de informações militares a linha telefónica não segura

Boris Pistorius
Boris Pistorius Direitos de autor Daniel Lob/(c) Copyright 2024, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Direitos de autor Daniel Lob/(c) Copyright 2024, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ministro da Defesa alemão disse que há uma investigação em curso, que a segurança geral foi aumentada e que é improvável que existam consequências pessoais graves.

PUBLICIDADE

Um oficial das forças armadas alemãs utilizou uma linha telefónica não segura num hotel de Singapura para participar numa conferência que foi pirateada por russos e divulgada ao público. A informação foi confirmada esta terça-feira pelo ministro da Defesa alemão. 

Em declarações aos jornalistas, em Berlim, Boris Pistorius disse que "nem todos os participantes aderiram aos procedimentos de segurança como previsto". Segundo Pistorius, o oficial em questão, cujo nome não foi indicado, tinha participado no Singapore Air Show, que contou com a presença de oficiais militares de alta patente de toda a Europa, e depois ligou para participar na conferência utilizando o seu telemóvel ou o Wi-Fi do hotel, mas não uma linha segura, como é considerado obrigatório para este tipo de chamadas.

A divulgação da cassete áudio, na qual se ouvem quatro oficiais de alta patente da força aérea alemã a discutir hipoteticamente a forma como os mísseis de cruzeiro de longo alcance Taurus poderiam ser utilizados por Kiev contra as forças russas, aumentaram ainda mais as tensões entre a Alemanha e a Rússia.

"Para os serviços secretos russos, foi um verdadeiro achado. Foram efetuadas piratarias específicas nos hotéis utilizados em toda a linha", disse Pistorius. "Deve, portanto, assumir-se que o acesso a esta conferência (telefónica) foi um golpe fortuito no âmbito de uma abordagem alargada e dispersa"__, acrescentou.

Pistorius disse que há uma investigação em curso, que a segurança geral tinha sido aumentada e que estava a ser considerado um processo disciplinar preliminar, mas que era improvável que houvesse consequências pessoais graves.

"Não vou sacrificar nenhum dos meus melhores oficiais aos jogos de Putin”, afirmou, referindo-se ao Presidente russo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder regional do partido de extrema-direita AfD é julgado por utilizar símbolos nazis

Polícia alemã deteve dois homens suspeitos de serem espiões russos

Chanceler alemão pede à China mais abertura económica