Parlamento italiano aprova missão naval da UE no Mar Vermelho

Missão naval Aspides
Missão naval Aspides Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Bernat Armangue/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Giorgia Orlandi
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Itália desempenhará um papel de liderança da missão Aspides, na medida em que o país será responsável pelo comando tático das operações.

PUBLICIDADE

O debate parlamentar sobre a missão naval europeia Aspides, que servirá para proteger os navios comerciais dos ataques dos rebeldes Houthi no Mar Vermelho, representa um passo crucial. Isto porque não só formaliza a participação italiana na missão, mas também porque a Itália desempenhará um papel de liderança, na medida em que o país será responsável pelo comando tático das operações.

A missão foi oficialmente aprovada no passado dia 19 de fevereiro pela União Europeia. A Itália é o último país a ter um papel primordial na aprovação da missão no Parlamento, apesar de o navio italiano já estar operacional no Mar Vermelho, onde permanecerá durante 12 meses.

O atraso na votação parlamentar suscitou críticas dos partidos da oposição, sobretudo porque o navio se viu nos últimos dias obrigado a abater um drone dos rebeldes Houthi, apesar de não fazer oficialmente parte da missão. 

O ministro dos Negócios Estrangeiros italiano explicou que o atraso não foi intencional e que, acima de tudo, a missão é necessária porque 40 por cento das atividades de importação-exportação italianas usam o Canal do Suez. 

O ministro disse que os danos para o comércio não só do Mali, mas também global, são significativos e lembrou que a missão tem principalmente tarefas defensivas. Os navios não vão participar diretamente no conflito e, segundo o ministro, este é um passo importante na construção de uma defesa europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mil italianos assinam manifesto para que Draghi seja presidente da Comissão Europeia

Itália prepara-se para negociar com Bruxelas termos da trajetória do ajuste fiscal

Morreu o estilista Roberto Cavalli aos 83 anos